Depois de ficar oito horas com um suposto explosivo amarrado ao corpo, o gerente do banco Sicredi de Sagrada Família, no norte do Rio Grande do Sul, teve o simulacro retirado. Segundo a delegada Aline Palma, da delegacia de Ametista do Sul, que acompanhou o caso de dentro da agência onde o homem estava, o objeto foi detonado pelo Batalhão de Operações Especiais (Bope). 

“Não era um explosivo, mas o Bope detonou por garantia”. 

Ainda segundo a policial, o homem passa bem, recebeu atendimento em um posto de saúde próximo da agência bancária e agora vai acompanhar o Instituto Geral de Perícias (IGP) na análise de possíveis provas dos criminosos em sua residência. 

A quadrilha manteve a esposa do gerente e seu filho, de 4 anos, sob cárcere durante toda a noite desta quinta-feira (3). Na manhã desta sexta, alguns criminosos permaneceram com a família, enquanto os demais levaram o gerente para o banco, por volta das 8h30min. 

Após entregar o dinheiro do cofre aos bandidos, ele teve o artefato amarrado ao corpo. A delegada descreveu o pacote como “semelhante a bananas de dinamite, amarrados com um fio a um telefone celular”.

Um veículo foi abandonado pelos criminosos e também passa por perícia. Ninguém foi preso. O valor levado pelos criminosos não foi informado.