Preso por matar a namorada em Bela Vista de Goiás (GO), Alan Pereira dos Reis, 22 anos, confessou à Polícia Civil de Goiás que matou a gerente de hipermercado Fernanda Souza Silva, 33 anos, após diversas discussões entre os dois porque ela não aceitava que ele mantivesse proximidade com os filhos que tem com a ex-mulher.
 
O corpo de Fernanda foi encontrado após uma semana de desaparecimento, em uma plantação de soja, no limite dos municípios de Caldas Novas e Piracanjuba (GO). De acordo com a polícia goiana, os restos mortais já estavam em avançado estado de decomposição após ser carbonizado e enterrado com terra e folhagens.

Durante a investigação do desaparecimento da mulher, a polícia chegou até à ex de Alan. Em depoimento à polícia, ela contou que o homem a levou de carro para fazer compras em um shopping, mas que estranhou o fato do rapaz, mesmo desempregado, convidá-la para sair. Segundo a polícia, ele utilizou o carro e o cartão de Fernanda.

Fernanda e Alan só estavam juntos há um mês, de acordo com o delegado da cidade Antônio André dos Santos Junior. Sem notícias dela desde a quarta-feira da semana passada, o homem e a família dela registraram o desaparecimento na delegacia na sexta-feira (14/2). De acordo com eles, a mulher deixou o trabalho em Goiânia e voltou para Bela Vista de Goiás. Depois, saiu de casa novamente e não foi mais vista.

No início das diligências para encontrar a gerente, os agentes encontraram um pedaço de madeira com sangue e restos de cabelo na região de Mato Grande, zona rural de Bela Vista, e passaram a desconfiar que Alan poderia ter feito algo a Fernanda. Desconfiança que foi reforçada após o depoimento da ex-mulher dele sobre o passeio no shopping.

Fuga, prisão e confissão

A polícia soube, então, que Alan estaria em fuga para o Pará e pediu a prisão temporária, mas ele já havia deixado o estado de Goiás. O suspeito acabou sendo preso em flagrante, desta vez por uso de documento falso, em Divinópolis (TO), e liberado em audiência de custódia em Paraíso (TO) logo depois. Enquanto isso, as equipes da Polícia Civil de Goiás foram até a cidade, a 880 km de Goiânia, onde o prenderam e o levaram para Bela Vista. A Polícia Militar do Tocantins diz que ele foi preso em Marianopolis, e não Divinópolis.

Já na cidade goiana, Alan confessou ter matado a gerente e indicou aos policiais o local onde havia enterrado o corpo. Ele também informou onde estava o veículo da vítima. Foram apreendidos ainda com ele um aparelho celular, duas facas, uma chave de fenda, um alicate de corte e R$ 609,40. A perícia foi chamada ao local onde estava o corpo, que foi recolhido e conduzido ao Instituto Médico Legal (IML) de Aparecida de Goiânia. O acusado responderá pelo crime de feminicídio.