O policial Zico foi morto no dia 8 de janeiro deste ano, com dois tiros na cabeça.
O policial Zico foi morto no dia 8 de janeiro deste ano, com dois tiros na cabeça.

Mirna Graciela
Laguna

A última audiência de instrução e julgamento do assassinato do policial civil José Maria Mendonça, o Zico, de 46 anos, ocorreu ontem à tarde, no fórum. Ele foi morto no início deste ano, em Laguna,
Foram ouvidas uma testemunha de acusação – um policial civil que participou das investigações do crime – e a ré, a viúva de Zico, de 45 anos. Ela é acusada de homicídio qualificado. Os depoimentos foram gravados em CD, que será anexado ao processo.

Hoje, os autos serão encaminhados ao Ministério Público (MP), que terá um prazo de cinco dias para apresentação das alegações finais. Em seguida, o advogado de defesa da acusada será intimado para o mesmo procedimento.
As alegações finais de ambos serão inseridas ao processo, que será remetido ao juiz Renato Muller Bratti, que presidiu ontem a audiência. O magistrado terá um prazo de dez dias para proferir a sentença com a definição se o processo vai ou não a júri popular.

O processo tramita na comarca de Laguna desde fevereiro. Até agora, foram realizadas três audiências e ouvidas 13 testemunhas do MP e oito de defesa, além da viúva de Zico.
O policial foi assassinado no dia 8 de janeiro, com dois tiros na cabeça, em sua casa, no Km 37, em Laguna, com um revólver calibre 32. O crime ocorreu entre 16h30min e 19h30min, segundo apontaram os exames periciais. O corpo foi encontrado pelo seu cunhado, no dia seguinte, às 8h20min.
No dia 15 do mesmo mês, o corpo foi exumado para se obter mais indícios, a exemplo da perícia e da realização da reprodução simulada.