Os combates são diários. A estiagem colabora ainda mais para elevar as ocorrências.
Os combates são diários. A estiagem colabora ainda mais para elevar as ocorrências.

Tubarão

A falta de chuvas, aliada à ação do homem, tem feito com que o Corpo de Bombeiros Militar de Tubarão adote esforços operacionais para controlar diversas solicitações de incêndios em vegetação. A situação é preocupante.
Nos últimos 20 dias, foram registrados 71 atendimentos deste tipo. Os incêndios ocorreram em vários pontos da cidade, especialmente às margens das rodovias, nos morros e em terrenos baldios.

“O fogo no mato muitas vezes é combatido artesanalmente, pois o acesso é difícil em alguns locais, onde o caminhão e os equipamentos não chegam”, explica o comandante do 8º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militares de Tubarão, tenente-coronel Pedro Antônio da Silveira.

Se por um lado esta época é mais propensa a incêndios em vegetação, há como agir na prevenção. “Por exemplo, se alguém passar em uma rodovia e ver um pequeno foco, deve ligar para o 193. Assim, evitamos maiores proporções. Com uma comunidade participativa, atingimos resultados diferentes”, solicita o comandante.

Bombeiros voluntários de Jaguaruna atendem 37 ocorrências

A situação não é diferente no trabalho dos bombeiros voluntários de Jaguaruna. Nos últimos 20 dias, foram 37 incêndios em vegetação. As ocorrências foram registradas nos balneários Arroio Corrente, Garopaba, Torneiro, Campo Bom e Camacho. Os profissionais também atuaram nos municípios de Jaguaruna e Sangão, tanto na parte central quanto na BR-101.
Três deles foram de grande proporção. “Isto porque ocorreram em plantações de eucalipto. São locais em que a aproximação do caminhão é inviável, bem como o combate manual por causa da altura das chamas. Então, é necessário o auxílio de maquinário para retirar a vegetação”, esclarece o chefe de socorro dos bombeiros voluntários de Jaguaruna, Hugo Leonardo Medeiros.

Algumas atitudes que não devem ser tomadas

• Queimar lixos ou outros materiais em áreas próximas a vegetação, tais como terrenos baldios e áreas desocupadas;
• Jogar bituca de cigarro em áreas de vegetação.
• Fazer queimadas para limpeza de áreas de vegetação.