O primeiro crime desta sexta ocorreu no bairro Progresso. Na foto em detalhe, a vítima, José Ernesto
O primeiro crime desta sexta ocorreu no bairro Progresso. Na foto em detalhe, a vítima, José Ernesto

 

Mirna Graciela
Laguna
 
Mais dois homicídios ocorreram na região nesta sexta-feira. Já são sete mortes este ano (confira no quadro ao lado). As vítimas foram dois adolescentes de 16 anos. Os dois crimes foram em Laguna, em um intervalo de 18 horas e localidades diferentes. 
 
O primeiro deles foi durante a madrugada, por volta da 0h30min. José Ernesto da Silva Neto estava com um colega, no bairro Progresso, em frente à Escola Comendador Rocha, quando dois jovens passaram em uma motocicleta. Segundo informações do delegado Rubem Thomé, de Laguna, o condutor retornou e o outro apontou para José Ernesto, em uma atitude de reconhecimento. Na sequência, disparou quatro tiros, um deles atingiu a cabeça da vítima, que faleceu na hora. 
 
As investigações iniciais apontam que o crime tenha sido motivado pela ‘disputa’ de uma garota. “Ouvimos umas pessoas hoje (sexta) pela manhã, mas ainda não temos a definição exata do motivo”, relata o delegado. 
 
A Polícia Civil da região realiza buscas para encontrar o autor do crime, que já foi identificado. Trata-se de um menor de 16 anos, também acusado de um outro homicídio em Laguna, no ano passado.  José Ernesto é filho do policial militar ambiental Luiz Roberto Cunha Winkler.
 
Cinco tiros disparados contra Gabriel
O segundo homicídio desta sexta-feira ocorreu às 18h30min, no bairro Portinho, em Laguna. Gabriel Nascimento Agostinho, 16 anos, foi atingido por dois tiros e teve morte instantânea. Segundo informações da Polícia Civil, ele caminhava pela rua Felisbina Rafael, em direção à sua residência, quando foi interceptado por um Fiat Siena, cor escura. Cinco tiros foram disparados contra Gabriel, três acertaram duas residências. Uma delas, com dois, um na garagem e outro na cozinha. Havia pessoas nas duas casas, ninguém ficou ferido. 
De acordo com o delegado Rubem Thomé, aparentemente a arma utilizada é uma pistola calibre 380. “Suspeitamos que esse crime tenha ligação com o que aconteceu em Tubarão, na última quarta, na Área Verde”, revela o delegado.