Depois de reunir cerca de quatro mil militares na Capital, em protesto histórico, a Associação de Praças do Estado de Santa Catarina (Aprasc) mantém firme a luta pela reposição inflacionária na nova rodada de negociação com o governo, nesta terça-feira (4).

Na última sexta-feira (31), o grupo gestor do governo apresentou, entre as principais propostas, a incorporação do Iresa, que é uma indenização para quem está na ativa; a garantia de que os militares não terão prejuízos com as novas alíquotas da Proteção Social e, 12,5% de reposição, no período de 2016 a 2018.

A Aprasc pretende lutar pela incorporação imediata da Iresa e por um índice melhor de reposição inflacionária, incluindo 2019. “Vamos lutar até o fim para melhorar as propostas. Mas tudo será decidido em assembleia geral com os praças. Podem ter certeza que a Aprasc vai brigar forte pela categoria, que exige respeito”, destacou o presidente da associação, subtenente RR, João Carlos Pawlick.