quinta, 20 de setembro de 2018
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Segurança

Caso Isadora: Após buscas em quarto de pousada, MP pede prisão preventiva do namorado

Publicado em 11/07/2018 00h12

Imbituba

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) encaminhou à justiça pedido de prisão preventiva de um homem de 36 anos, acusado de matar a namorada, a modelo gaúcha Isadora Viana Costa, 22. O assassinato ocorreu no último dia 8 de maio, no apartamento dele, em Imbituba.
Réu por homicídio qualificado (motivo fútil, com pouca chance de defesa da vítima e feminicídio), a justiça já negou dois pedidos de prisão preventiva feitos pela Polícia Civil, mas mandou que fossem cumpridas medidas cautelares.

O requerimento do MPSC para que o namorado da vítima seja preso foi feito após busca e apreensão, determinada pelo judiciário, na pousada em que ele vive atualmente, na Praia do Rosa, em Imbituba. Lá, teriam sido envontrados registros de pedidos de entregas bebidas alcoólicas, o que comprovaria um descumprimento de medidas cautelares aplicadas pela justiça contra o acusado. Ele também estava proibido de se ausentar do Estado, de usar drogas e ter contato com testemunhas e demais envolvidos no caso.

O poder Judiciário deu prazo de cinco dias para a defesa se manifestar, antes da apreciação do novo pedido.

O Ministério Público acusa o homem de ter imobilizado a namorada após uma discussão e dado vários golpes no abdômen dela, provocando a morte. Ele tem porte físico avantajado, pois é lutador de artes marciais, afirma o MPSC. Uma amiga dele, que é advogada, é acusada de ter alterado a cena do crime e responde por fraude processual.

O advogado de defesa do réu, Bruno Seligman de Menezes, disse que as circunstâncias da morte ainda não estão completamente esclarecidas. O réu não tinha antecedentes criminais.

Relacionamento

Os socorristas do Corpo de Bombeiros que atenderam Isadora após a agressão disseram à polícia que o lençol da cama estava sujo de sangue. Porém, quando os investigadores chegaram, a cama estava sem lençol, que teria sido removido por uma amiga do acusado. Ela foi denunciada por fraude processual.

Medidas cautelares e pedido de prisão
No dia 4 de junho, a justiça negou pedido de prisão preventiva e decretou o cumprimento de medidas cautelares, entre elas não ingerir bebida alcoólica, não se aproximar de envolvidos no inquérito, nem deixar a comarca durante o andamento do processo.

Em nova solicitação de prisão, a Polícia Civil afirmou que o réu descumpriu parte das cautelares e que estaria havendo coação do delegado durante as investigações. Porém, na última quinta-feira, o pedido foi negado, mas foi determinada busca e apreensão.

No despacho, o juiz Welton Rubenich disse que parte das medidas pode não ter sido cumprida e que não descarta que o réu possa ter cometido novos delitos, mas que “as circunstâncias em que supostamente se deram esses novos fatos não são graves o bastante para a decretação da medida extrema, seja para fins da garantia da ordem pública, seja para fins da conveniência da instrução criminal”.

O despacho também diz que, diante das provas colhidas até agora, “é inegável a presença da prova da materialidade e dos indícios de autoria dos crimes de homicídio qualificado, fraude processual e posse de acessório de arma de fogo de uso restrito”.

Outro lado
A defesa do acusado disse que não é possível afirmar que o seu cliente, que é empresário em Imbituba, foi o responsável pela morte da modelo.

“Faltam laudos ao processo. É uma fatalidade tanto para ele quanto para a família de Isadora, uma vez que tinham um relacionamento. As causas da morte súbita ainda não foram elucidadas. Precisamos verificar se a ingestão de substâncias entorpecentes podem ter relação com a morte”, afirmou Bruno.



VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital