quinta, 23 de maio de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Saúde e Equilíbrio - Fernando Viégas Delgado

Endometriose e gravidez

Publicado em 19/03/2019 00h15

Endometriose e gravidez
Foto: Divulgação/Notisul

Diferente do que se possa pensar, a endometriose não é um impeditivo para seguir normalmente com uma gravidez. É certo que essa inflamação do endométrio pode comprometer a capacidade reprodutiva da mulher, mas a partir do momento que ela consegue engravidar, a gestação segue sem problemas. Cinquenta por cento dos casos de mulheres com endometriose conseguem engravidar de forma natural. Mesmo quando a doença é profunda, é possível engravidar tradicionalmente. Como a gravidez libera altos níveis de progesterona, hormônio usado no tratamento para endometriose, a inflamação no endométrio tende a diminuir. Com isso, há remissão dos focos da doença, que melhora significativamente. Se o embrião conseguiu se implantar normalmente no tecido do útero, a gestação não corre risco adicional.

Endometriose é uma inflamação do tecido interno do útero, chamado endométrio. O crescimento exagerado dessa camada faz com que ela vá para lugares fora do órgão. Não há uma causa definida para a endometriose. Existem vários fatores envolvidos, como genéticos e imunológicos. Os sintomas da endometriose incluem cólicas fortes e recorrentes de difícil controle, que não melhoram com remédios comumente usados, dor forte durante a relação sexual e, em alguns casos, fora do período menstrual.

Caso a inflamação chegue ao intestino ou à bexiga, pode haver sangramento que será visto na urina ou nas fezes. A endometriose, embora não impeça uma gravidez, pode afetar a capacidade reprodutiva da mulher, sendo uma das principais causas de infertilidade feminina. Com a inflamação do endométrio, esse tecido pode se espalhar para além do útero e atingir as trompas, ovários ou até outros órgãos. Esse processo inflamatório pode levar à formação de aderências que afetam a tuba uterina. A endometriose também pode promover um ambiente uterino hostil ao embrião, dificultando a implantação embrionária ou a chegada do espermatozoide até o óvulo.

Quando a inflamação atinge os órgãos pélvicos, pode deformar a arquitetura deles, principalmente da tuba uterina. Ela não consegue captar o óvulo e fazê-lo progredir. Existe também alteração do óvulo, cuja qualidade também não é boa. O tratamento para endometriose pode ser clínico ou cirúrgico. No tratamento clínico usamos medicações que impedem a menstruação, a fim de que o endométrio não cresça novamente após esse período. Medicamentos para dor também são prescritos. Uma vez que não há causas definidas para a doença, não é possível falar em prevenção específica. No tratamento cirúrgico, o objetivo é retirar os focos de endometriose de onde quer que eles estejam. No entanto, a decisão pelo procedimento pode não ser tão simples assim.

A indicação cirúrgica leva em conta, basicamente, a qualidade de vida da mulher. Endometriose promove dor, às vezes a mulher não consegue ter relações sexuais devido à forte dor, pode comprometer o intestino. A dificuldade de engravidar é considerada após um ano de tentativas. Nesses casos, é possível fazer fertilização in vitro. Sobre a cirurgia se observa que, mesmo após o procedimento, os focos podem voltar, pois diversos fatores contribuem para o aparecimento da endometriose. O tratamento primordial tem o objetivo de bloquear os focos de endometriose. A cirurgia normalmente é realizada por videolaparoscopia.

O método é o mais usado no tratamento cirúrgico da endometriose, pois permite visualizar os focos da doença de forma mais precisa e definida, além de diminuir os riscos de complicações e garantir uma melhor recuperação no pós-operatório. A videolaparoscopia é um procedimento minimamente invasivo, em que são realizados pequenos cortes de cinco a dez milímetros na parede abdominal e, através deles, são introduzidos uma câmera de vídeo e os instrumentos cirúrgicos. Depois, o interior do abdômen é insuflado com gás carbônico para facilitar o procedimento e permitir que o cirurgião realize a operação com maior segurança. A seguir, todos os focos de endometriose são retirados e são corrigidas as distorções provocadas pelas aderências resultantes da doença.

O objetivo da cirurgia é retirar totalmente os focos de endometriose profunda, corrigir as alterações anatômicas e liberar as aderências da cavidade abdominal. Contudo, o tratamento cirúrgico não cura a endometriose, mas elimina os principais focos da doença e reduz o processo inflamatório do abdômen, melhorando a dor e a fertilidade.

Dicas de Saúde

Estudos comprovaram que pessoas que mantêm atitudes positivas produzem maior quantidade de anticorpos contra a gripe. Outro estudo mostrou que pessoas que vivem em estado radiante fabricam mais anticorpos em resposta à vacinação. Os pesquisadores não são claros sobre a conexão, mas sabem que o cérebro se comunica com o sistema imunológico e vice-versa. A campanha nacional de vacinação da gripe desse ano inicia no dia 10 de abril, e segue até 31 de maio, a ação desse ano foi adiantada em 15 dias. Fique atento!

Calendário

21/3 - Dia Nacional da Síndrome de Down
21/3 - Dia Mundial da Infância


VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital