quinta, 23 de maio de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Saúde e Equilíbrio - Fernando Viégas Delgado

Avanços técnicos em cardiologia intervencionista - hemodinâmica

Publicado em 26/02/2019 00h24

Avanços técnicos em cardiologia intervencionista - hemodinâmica

As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte em todo o mundo, principalmente após os 40 anos. Segundo dados do Sistema Público de Saúde (Datasus), no Brasil, apenas no ano de 2016, ocorreram quase 350 mil mortes em decorrência desta doença. As principais contribuintes para a elevada mortalidade das doenças cardiovasculares são as obstruções nas artérias coronárias, aquelas artérias que irrigam o músculo do coração e são causadas pela doença aterosclerótica, as conhecidas placas de gordura. O diagnóstico da presença destas obstruções é realizado através do cateterismo cardíaco, um exame ambulatorial, realizado com anestesia local, por uma artéria do punho ou da virilha, ou ainda por exames de tomografia ou ressonância magnética. Nesse artigo, vamos se ater mais aos procedimentos que realizamos na Hemodinâmica.

Se constatada a presença destas lesões obstrutivas, o tratamento pode ser clínico (apenas medicações), cirúrgico (através da cirurgia de revascularização miocárdica com a utilização de pontes de veia safena e de artéria mamária) ou através da angioplastia coronária, na dependência de uma série de critérios médicos e da decisão conjunta entre equipe médica e paciente. A angioplastia coronariana consiste na desobstrução da artéria coronária com o implante do stent, um pequeno dispositivo de metal que é liberado no local da “placa de gordura” e que tem a função de manter a artéria tratada aberta. O stent é utilizado na imensa maioria das vezes em que se faz uma angioplastia coronária. Este procedimento também utiliza uma artéria do punho ou da virilha e anestesia local ou ainda com sedação aplicada por um anestesista, podendo ou não ser realizado logo após o cateterismo cardíaco e requer, geralmente, internação hospitalar por pelo menos 24 horas após a intervenção.

Porém, em algumas situações, as obstruções coronárias estão localizadas na porção inicial das artérias, como por exemplo, no tronco da artéria coronária esquerda, o vaso inicial que dá origem as duas mais importantes artérias coronárias ou quando as “placas de gordura” possuem características que podem tornar a angioplastia tecnicamente mais trabalhosa, como por exemplo, a acentuada calcificação associada às “placas de gordura”.

Nestas situações, durante a angioplastia coronária, podemos utilizar dois tipos de dispositivos, constituídos por minúsculos cateteres que são inseridos de forma totalmente indolor e imperceptível pelo paciente, no interior das artérias coronárias, antes, durante e após o implante do stent, permitindo, in vivo, visibilizar a artéria coronária por dentro dela, como se estivéssemos fazendo uma “endoscopia” nestas artérias. Esses dispositivos de imagem intravascular, que são o ultrassom intravascular e a tomografia de coerência óptica coronariana tem em comum a possibilidade de oferecer para o médico informações, com exatidão matemática, como as medidas do diâmetro coronário e o comprimento da obstrução permitindo a escolha exata do tamanho e comprimento do stent; as características da “placa de gordura” e a quantidade e localização do cálcio em seu interior, possibilitando a realização do um plano de tratamento adequado da obstrução antes do implante do stent e, após o implante do stent.

As imagens fornecidas por estes dispositivos permitem saber se o stent está adequadamente implantado ou se necessita de dilatações adicionais. Portanto, estes dispositivos otimizam o resultado da angioplastia com o implante do stent, aumentando a segurança do procedimento e melhoram os resultados deste tipo de intervenção quando comparados a angioplastia realizada sem a utilização dos mesmos.

Além disso, algumas injeções de contraste iodado administrado regularmente durante a angioplastia coronária podem ser substituídas pelo ultrassom intravascular, reduzindo o volume final de contraste durante a intervenção, diminuindo a chance de complicações inerentes ao contraste em pacientes que são susceptíveis, como os idosos, diabéticos e portadores de insuficiência renal.

Ambos dispositivos de imagem intravascular estão disponíveis para utilização diária no Serviço de Hemodinâmica do Hospital Socimed em nossa cidade. A escolha entre um ou outro dispositivo durante o procedimento, está baseado em uma série de características técnicas e anatômicas e é decidido pelo médico que realiza o procedimento.

Dicas de saúde
 Após a confirmação de 13 casos de sarampo em tripulantes de um cruzeiro que fez parada na costa catarinense, a Secretaria da Saúde recomendou a vacinação de todas as pessoas ainda não imunizadas para evitar a reintrodução do sarampo em nosso Estado. Não temos casos notificados em Santa Catarina desde 2013. Fique de olho nas campanhas!

Dicas de saúde II
Fique de olho no seu corpo, a menor suspeita de dor no peito, formigamento do membro inferior esquerdo entre outros sintomas de origem cardíaco procuro um serviço de emergência que tenha o protocolo de atendimento a dor precordial e lhe garanta um tempo porta-balão, isto é, o tempo entre o diagnóstico e a hemodinâmica parametrizado para proteção do musculo cardíaco em episódios de isquemia.

Dicionário Médico
• Artérias Coronárias: são oriundas do tronco coronariano diretamente da Artéria Aorta, responsáveis por toda o aporte de oxigênio e nutrientes para o musculo cardíaco.
• Stent: na medicina é uma endoprótese expansível, geralmente de metal que é introduzido nas artérias para prevenir ou impedir a parada do fluxo no local causada por entupimento das artérias, ou ainda para reconstituir uma artéria acometida por um aneurisma.




VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital