quinta, 23 de maio de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Quarta Crítica - Nelson Ubaldo

Coelho de Jade

Publicado em 13/02/2019 00h30

Há cerca de 50 anos o homem pisava na lua pela primeira vez, através do programa espacial americano. Até os dias de hoje há uma grande polemica sobre o fato, sendo que alguns não acreditam que realmente o homem pisou em solo lunar, enquanto que outros acreditam, mas não aceitam o tamanho do investimento para conseguir tal façanha. Na verdade, na corrida espacial com seus programas foram gastas quantias que dariam para acabar com a fome no mundo todo e sobraria dinheiro. O governo americano se defende dizendo que o programa espacial não pode ser considerado gasto e sim investimento, pois possibilidades as mais diversas se abriram para uma perspectiva extremamente importante para os rumos da humanidade. Alguns defendem a colonização da Lua e outros astros como forma de desenvolvimento cientifico, de mais espaço para viver, de maior conhecimento do universo e então abrir possibilidades como ate deportação de humanos como forma de isolamento social, sendo ate uma forma de prisão. O certo é que os americanos da NASA nunca tornaram publicos os seus estudos, deixando em aberto tanto para criticas quanto para aqueles que acreditam que exista uma finalidade lógica que possa beneficiar a humanidade.

A grande verdade é que meio século se passou e não houve nenhum beneficio mais palpável ao ser humano, nem houve desenvolvimento de novos projetos com finalidade mais humanista por parte dos americanos, embora o programa não tenha sido desativado e novas sondas são enviadas a Marte e outros planetas, porem com naves não tripuladas, sendo abandonado de vez  o programa tripulado. Porem outros países sempre tiveram igual interesse cientifico e mantiveram seus programas espaciais ativos, tal como a Russia, a India e a China. Por falar nos chineses, temos que aceitar que de fato que estão mesmo à frente de seu tempo. Com uma população acima de um bilhão e trezentos mil habitantes (o pais mais populoso do mundo), é natural que procurem alternativas de espaço, ou através de conquistas de territórios, o que demanda guerra com derramamento de sangue de seus pares, ou através da busca de espaço em outras áreas do universo. Com esta população, os chineses, que tem muito dinheiro, estão preocupados em alimentar sua gente, buscando alternativas não só em países produtores de grãos, carne e outros alimentos, mas também deram um passo enorme acenado com a possibilidade de cultivar alimentos fora da terra.

No dia dois de janeiro foi noticiado que uma sonda chinesa desceu no lado obscuro da lua (pra delírio do grupo Pink Floyd, que fez alusão a isto na década de 70, com o inigualável trabalho The Dark Side Of The Moon), que além de ser uma façanha incrível, uma vez que venceu os obstáculos de gerenciamento, pois há dificuldade em alcançar aquela parte do nosso satélite devido a massa lunar impedir, ou melhor, dificultar os comandos programados da terra. Mas a façanha foi extremamente significativa, uma vez que o jipinho lunar, batizado com o nome de Coelho de Jade, levava entre outras coisas sementes de batata, de algodão e ovos de mosca, sendo que foi possivel verificar  que germinou, embora por pouco tempo, um broto a partir da semente de algodão. Esta noticia abre impensáveis e intermináveis possibilidades, não so para os chineses mas para toda a humanidade. Talvez possamos saciar a fome de pessoas na terra com alimentos produzidos no espaço. Quem viver verá.


VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital