domingo, 24 de março de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Quarta Crítica - Nelson Ubaldo

Dicotomia

Publicado em 05/12/2018 00h27

É obrigação de todos nós termos uma participação nas decisões e rumos sociais na comunidade onde vivemos. Precisamos contribuir com ações coletivas para podermos desenvolver um ambiente comunitário que beneficie a maioria das pessoas, sempre com olhar macro, voltado para a sociedade como um todo. As ações individualistas, egoístas por excelência, costumam privilegiar apenas um grupo em detrimento de muitos, numa clara relação mercantilista e, muitas vezes, escravagista, estabelecendo uma linha de conduta onde todos saem perdendo, criando duas classes, dividindo os seres humanos. Todas as vezes em que dividimos, do ponto de vista de partilha, isto se transforma em multiplicação, mas quando fazemos a divisão de classes para criar castas, privilegiando uma minoria, não poderá haver desenvolvimento e, em curto lapso de tempo, haverá o caos instalado com prejuízo de todos.

Está ficando muito chato emitir opinião em nosso país, pois há uma dicotomia bem pronunciada, na mais definida política do ‘nós contra eles’. Tudo está sendo colocado em posições contrapostas, mas de maneira totalmente equivocada. Se um indivíduo se declara heterossexual, já é imediatamente taxado de homofóbico; se contrata um branco para uma vaga de trabalho é racista, se contrata um negro é porque quer barganhar alguma coisa; se opta por ficar solteiro é porque é homossexual; se tiver pouca ambição financeira é porque é preguiçoso e assim por diante. Estamos vivendo a política dos contrários, ou seja, você não tem mais o direito de ter uma terceira via. Recentemente saímos de uma eleição onde ser de direita é ser fascista e ser de esquerda é sinônimo de comunismo miserável.

Ora, meus caros leitores, estamos no mesmo patamar onde queremos o desenvolvimento social e político da população visando uma política com economia forte, educação e saúde ao alcance de todos com segurança e trabalho que permita um indivíduo poder sustentar dignamente sua família. Se manifestamos uma tendência de esquerda ou direita penso que é uma questão de princípios e formação, mas que independentemente do lado que seguirmos, precisamos fatalmente convergir para a frente, para o desenvolvimento, para o progresso. Causa-me espécie o grupo mais de esquerda estar preocupado em desestabilizar a nação, as políticas do novo governo, através de atos de barbárie como estes sendo divulgado nas redes sociais, na mais clara intenção de impedir uma governabilidade, não importando que o caos possa se estabelecer. Entendo que precisamos de oposição, mas a função precípua de uma oposição política é fiscalizar e contribuir com ideias que possam colaborar com o desenvolvimento e que possa engrandecer a nação.

Somente com a alternância de poder é que se fortalece a democracia, e isto serve para corrigir os erros cometidos por determinada linha política. Precisamos entender que a nação onde vivemos, governada por tendência de direita ou de esquerda, continuará sendo a nossa pátria-mãe, onde tiraremos o nosso sustento, portanto chega de dividir, precisamos unir esforços para criar uma nação forte em todas as frentes e, sem ufanismo.   


VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital