Quatro pessoas foram indiciadas na última sexta-feira (5), na Operação “Fosso Limpo”, pela prática de infrações penais cometidas contra a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan). A ação ocorreu após investigação envolvendo os crimes de organização criminosa, fraude a licitações, peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso, realizada pela Polícia Civil, por intermédio da 1ª Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (DECOR/PCSC) da Capital.

O inquérito policial foi instaurado para apuração de notícia de direcionamento de certames licitatórios e superfaturamento de horas extras em contrato de prestação de serviços de limpeza de sistemas de esgoto, firmado por sociedade empresarial e a Casan, entre os anos de 2014 e 2015. Com as investigações, constataram-se indícios da prática de fraudes a licitações, peculato e falsidade ideológica.

Durante o curso do procedimento policial, foram realizadas buscas e apreensões e houve o bloqueio judicial de ativos financeiros e o sequestro de sete bens imóveis avaliados em aproximadamente um milhão e meio de reais, tendo em vista o prejuízo estimado decorrente da fraude e a necessidade de garantir o ressarcimento aos cofres públicos. Os autos do inquérito policial foram enviados ao Ministério Público.

 

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul

Fonte: PCSC