PMDB entrou com mandado de segurança pedindo a destituição da mesa diretora da Câmara de Braço do Norte. Liminar foi concedida pelo juiz e cabe recurso. Sessão de ontem foi cancelada

Braço do Norte

Um mandado de segurança foi impetrado pelo PMDB solicitando novas eleições da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Braço do Norte. Segundo o partido, as siglas PSD, PP e PSDB não respeitaram a Lei de Proporcionalidade.
O partido elegeu três vereadores e foi o segundo maior em número de votos, porém, não faz parte da composição da mesa diretora eleita para o biênio 2017/2018, que atualmente é composta pela presidente Maria da Silva Kulkamp (PP), pela vice-presidente Soraya Michels (PSDB), pelo secretário Rafael Marcelino Borgert (PSD) e pelo suplente de secretário Jacinto Perin (PSD).
O juiz de direito da comarca do município, Rodrigo Barreto, emitiu a liminar, suspendendo o pleito do dia 1° de janeiro, que apontou os membros da mesa diretora da Casa legislativa, e pediu novas eleições para os cargos de presidente, vice-presidente, secretário e segundo secretário. A decisão foi tomada na sexta-feira. Nesta segunda-feira (13), não houve sessão ordinária e os membros da mesa pretendem entrar com recurso solicitando a reconsideração da liminar.
O vereador mais votado, Israel de Souza (PMDB), deve comandar a Câmara de Braço do Norte interinamente, até que a nova eleição seja realizada ou a decisão liminar do juiz seja revogada.
Dos 11 vereadores, somente três reelegeram-se: Arlete Ramos (PP), Maria da Silva Kulkamp (PP) e Soraya Michels Richter (PSDB). Os demais atuam pela primeira vez.

capa pag 3 secundária arquivo Israel de Souza