O pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Michel Temer no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) só deve ser julgado na quarta-feira (27/3). Havia expectativa de que a decisão saísse ainda nesta sexta-feira (22/3), mas o desembargador Antonio Iva Athié decidiu enviar a solicitação para a Primeira Turma da Corte.

O pedido foi pautado para a próxima sessão da Turma, que ocorre só na quarta-feira. Até lá, salvo uma eventual decisão dos tribunais superiores, o emedebista continua preso na Superintendência da Polícia Federal, no Rio de Janeiro.

O ex-presidente foi preso, na quinta-feira (21/3), em operação da Lava-Jato e está detido na Superintendência da Polícia Federal no Rio. Ele é acusado dos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e peculato, em decorrência do pagamento de propina nas obras da usina de Angra 3 e desvios de recursos da Eletronuclear. A defesa dele alega que não existem motivos para embasar uma prisão preventiva.

Triste

No fim da manhã, procuradores da Força-Tarefa da Lava-Jato chegaram ao prédio para acompanhar o depoimento de Temer e de seu ministro, Moreira Franco, também detido na quinta-feira.

Temer está preso em uma sala da corregedoria, no 3º andar do prédio e uma das poucas a ter banheiro privativo. A sala, de 20 metros quadrados, tem ainda frigobar e ar condicionado. Uma televisão também deve ser instalada no local. 

Nesta sexta, Temer recebeu a visita do ex-ministro da Secretaria de Governo e aliado Carlos Marun, que descreveu o estado de espírito de Temer como muito triste.