terça, 26 de março de 2019
Facebook Instagram Twitter Youtube
48 3053-4400

Política

'Se errarmos, vocês sabem quem poderá voltar', diz Bolsonaro sobre economia

O presidente destacou que, em busca de fortalecer a capacidade de seu governo, deu total autonomia para ministros e presidentes dos bancos públicos escolherem equipes

Publicado em 07/01/2019 19h00

'Se errarmos, vocês sabem quem poderá voltar', diz Bolsonaro sobre economia

O presidente da República, Jair Bolsonaro, reconheceu que não pode errar na área econômica nessa busca para uma saída da crise econômica.  “Começamos a viver dias melhores. Não podemos errar. Se errarmos os senhores sabem quem poderá voltar”, disse Bolsonaro, nesta segunda-feira (7/1) durante a cerimônia de posse dos presidentes de bancos públicos em cerimônia no Palácio do Planalto.


Após as informações desencontradas na semana passada, o presidente resolveu fazer um discurso em tom apaziguador, reafirmando as declarações da campanha de que quem entende de economia é novo ministro Paulo Guedes, a quem chamou de senhor devido à formação militar. “Nasceu uma amizade, e o desconhecimento meu e dos senhores em muitas áreas e a aceitação disso, é um sinal de humildade. Conheço mais de política do que Guedes, e ele conhece muito mais de economia do que eu”, declarou Bolsonaro.


O presidente destacou que, em busca de fortalecer a capacidade de seu governo, deu total autonomia para ministros e presidentes dos bancos públicos escolherem respectivos integrantes da equipe. “O ministro Guedes e os demais ministros do meu governo tiveram a liberdade de escolher o primeiro escalão, sem a interferência política”, garantiu ele, sendo aplaudido pela plateia no Salão Nobre do Planalto. Ele mencionou que a posse estava bastante concorrida porque estavam sendo empossados os "donos do dinheiro". "O evento está concorrido porque são homens do dinheiro, mas do dinheiro do bem", afirmou.

Continua depois da publicidade


Publicidade


O presidente ainda anunciou que pretende rever os contratos com organizações não governamentais (ONGs) e distribuir igualmente os recursos publicitários do governo federal. "Nenhum órgão de imprensa vai ter mais verba que outro. Queremos que sejam mais fortes e isentos. A imprensa é livre e a garantia da nossa democracia", afirmou Bolsonaro. "Os recursos que serão liberados para ONGs sofrerão um rígido controle para que os recursos públicos sejam aplicados" .  O chefe do Executivo também afirmou que pretende rever os bônus de veiculação, uma espécie de comissão das agência de publicidade.


Bolsonaro fez o pronunciamento durante a posse dos presidentes dos bancos públicos. No Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), assumiu o economista Joaquim Levy, ex-ministro da Fazenda de Dilma Rousseff. No Banco do Brasil, tomou posse Rubem Novaes, e, na Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. 


O presidente contou que, pela primeira vez, apertou a mão de Levy e aproveitou para perguntar a ele se o Brasil daria certo. E ele ouviu o seguinte: "Se não fosse dar certo, não estaria aqui". "Estou aqui porque acredito que os senhores estão aqui porque acreditam no Brasil", completou Bolsonaro.


Fonte: Com informações do Correio Braziliense
VOLTAR
Notisul - Um Jornal de Verdade
LIGUE E ASSINE (48) 3053-4400 Rua Ricardo José Nunes, 346 - Jardins de Pádova - Santo Antônio de Pádua - CEP: 88701-571 - Tubarão/SC
Copyright © Notisul - Um Jornal de Verdade 2017. Desenvolvido por Demand Tecnologia e Bfree Digital