O governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos), anunciou em várias entrevistas recentes que Santa Catarina deve receber mais 68 leitos de Unidades de Terapias Intensivas (UTIs) pediátricas nos próximos meses. A medida visa atender a forte demanda existente em todas as regiões do estado, sobretudo com a chegada das temperaturas mais baixas. Atualmente, os 89 leitos existentes em SC estão ocupados e filas são registradas nos principais hospitais catarinenses.

Ciente do problema, Moisés já iniciou tratativas, inclusive na rede privada, para abrir mais espaços de atendimento. O problema, porém, não se resume apenas à falta de leitos. Há poucos médicos pediatras e, também, poucos intensivistas à disposição. O drama, inclusive, existe na rede de unidades de saúde particular. O governador tem informado que em sua gestão houve aumento significativo nos números de leitos – de 2018 até 2022, SC saiu de 196 para 298 leitos, um aumento de 56%.

Outro ponto a ser atacado é o atendimento das redes primárias. Conforme dados da Secretaria de Estado da Saúde, 95% dos casos poderiam ser resolvidos em ambulatórios municipais – responsáveis por este atendimento primário -, mas não é o que acontece. Sem este filtro, as demandas atingem os grandes hospitais e sobrecarregam o sistema. Para completar as ações, o estado reforça as campanhas de vacinação. As secretarias estadual e municipais de Saúde decidiram ampliar o público-alvo das campanhas.

Desde sexta, 27, além dos grupos prioritários, também poderão ser vacinadas crianças de 5 a 11 anos de idade e todos os trabalhadores da saúde. A campanha contra a gripe e o segue até o dia 3 de junho. A cobertura vacinal alcançada, até este momento, está muito abaixo do esperado. Para a gripe, é de apenas 45%, sendo que a meta a ser alcançada é de 90%. Para o sarampo, de 33% (48% para os trabalhadores da saúde e 24% para as crianças), sendo que a meta é de 95%.

Novos leitos

Conforme a Secretaria de Estado da Saúde, os hospitais que terão novos leitos de UTI serão: Hospital Infantil Joana de Gusmão (Florianópolis), Hospital Pequeno Anjo (Itajaí), Hospital Azambuja (Brusque), Hospital e Maternidade Jaraguá do Sul, Hospital Regional Alto Vale (Rio do Sul), Hospital Regional de Araranguá, Hospital Materno Infantil Santa Catarina (Criciúma), Hospital Regional de São José, Hospital Nossa Senhora da Conceição (Tubarão).

ICMS

Uma declaração do senador Jorginho Mello (PL), publicada na edição de sexta-feira do jornal O Estado de São Paulo, vem gerando polêmica: “Vou ser governador, então não quero que diminua a alíquota. É algo que vai impactar todos (os Estados)”, disse o senador sobre projeto do governo Bolsonaro que limita o ICMS a 17%. Vale lembrar que o senador se auto-intitula o candidato do presidente da República em SC e esta declaração pode provocar reações no Planalto, afinal o projeto que teve vitória folgada na Câmara dos Deputados ainda precisa passar no senado.

Trabalhadores

Até 2025, o estado de Santa Catarina precisará qualificar 802,9 mil pessoas em ocupações industriais, sendo 152,9 mil em formação inicial – para repor inativos e preencher novas vagas – e 649,9 mil em formação continuada, para trabalhadores que devem se atualizar. Os dados e a avaliação são do Mapa do Trabalho Industrial 2022-2025, estudo realizado pelo Observatório Nacional da Indústria para identificar demandas futuras por mão de obra e orientar a formação profissional de base industrial no país.

Erva mate

A Erva-mate do Planalto Norte Catarinense recebeu nesta terça-feira, 24, Indicação Geográfica (IG) na categoria Denominação de Origem (DO). Esta é a sétima IG conquistada por Santa Catarina. O registro de Indicação Geográfica é conferido pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) a produtos ou serviços que são característicos do seu local de origem, o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de os distinguir em relação aos seus similares disponíveis no mercado.

Corvo Branco

A Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade (SIE) informa que identificou novo desmoronamento na Serra do Corvo Branco, neste domingo, 29. O incidente ocorreu em um ponto dentro da área interditada há mais de 20 dias, que já estava mapeado para testes de pulsão, uma vez que já era considerado de risco. No projeto de pavimentação em execução antes do evento climático do começo de maio, inclusive, estava previsto um falso túnel, ou seja, uma cobertura de concreto para o trecho. Equipes coordenadas pela SIE continuam monitorando a área e voltam a trabalhar no local assim que houver condições de segurança.