A semana em Santa Catarina termina com a chegada do coronavírus deixando autoridades em alerta. Ontem, o estado confirmou os dois primeiros casos, ambos na Capital. Os casos confirmados são de uma mulher de 28 anos, que retornou da Europa e foi atendida no posto de saúde do bairro Córrego Grande e de um homem de 34 anos atendido no pronto atendimento do Hospital Baía Sul. Ambos estão sendo monitorados e não necessitaram de internação hospitalar. Na Alesc, a presidência já estuda publicar um ato com medidas a respeito do assunto para adotar medidas de prevenção. Estamos aguardando mais informações por aqui também. Assim que tiver informações mais claras do conteúdo do ato vamos divulgar, por enquanto, só estou antecipando o assunto com o amigo. Na Educação, o secretário Natalino Uggioni anunciou a liberação de verba para direção das unidades comprarem materiais necessários para a prevenção. A medida evita a abertura de processo de licitação centralizado, dando mais agilidade. Em comunicado divulgado para toda a rede, a orientação da Secretaria é para que diante de sintomas como febre, tosse e falta de ar, dores musculares e de cabeça, bem como confusão mental, irritação na garganta e desconforto no peito os alunos procurem atendimento médico e se afastem das aulas. Considerando um universo de 538 mil alunos, as medidas de prevenção nas escolas podem evitar que a pandemia se alastre de forma mais intensa aqui no estado.

Aguardando exames O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, está em isolamento domiciliar até que sejam concluídos testes para o novo coronavírus (Covid-19). O exame foi realizado após o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, testar positivo para o vírus. Aguiar esteve junto com a comitiva presidencial que viajou a Miami, nos EUA. O próprio Presidente Jair Bolsonaro (PSL) realizou testes e é monitorado, assim como

todos os demais integrantes da comitiva, incluindo deputado federal catarinense Daniel Freitas (PSL).

Encontro de prefeitos A preocupação com o novo coronavírus antecipou o encerramento do 77º Encontro da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), realizado em Florianópolis. Iniciado na terça-feira (10), o evento teve a agenda encurtada e foi encerrado ontem, um dia antes do previsto. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), cancelou sua participação no encontro. Gestores municipais prepararam documento questionando os critérios para a distribuição de recursos federais no ao Covid-19. Eles também querem um plano de contingência padrão, que deverá ser seguido por todos os municípios.

Vignatti deixa o PT O ex-deputado federal Claudio Vignatti deixou oficialmente a sigla  que o abrigou por 28 anos, exatamente as 14h40 de ontem. O político vai liderar o processo de reestruturação do PSB catarinense. “Nós estamos começando um projeto para em 2022 fazermos dois deputados federais e cinco estaduais”, afirmou. Para este ano, Vignatti já conta com o apoio dos prefeitos Juliano Duarte Campos, de governador Celso Ramos, e Rosenvaldo Júnior, que também vai deixar o PT.

Em busca de apoio O novo presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), Saulo Sperotto, prefeito de Caçador, começou a gestão batendo na porta dos agentes que podem tornar o trabalho da federação, de fato, mais efetivo na ponta. Em visita ao presidente da Alesc, deputado Julio Garcia, Sperotto apresentou dois pedidos: Que a Fecam seja a interlocutora entre o legislativo estadual e as administrações locais e apoio para promover a avaliação e revisão do Plano de Metas da Educação Catarinense, que segundo Sperotto precisa ser adaptado à realidade dos municípios.

Muito tóxico O Ministério Público em Jaraguá do Sul instaurou inquérito civil, por meio da 7ª Promotoria de Justiça, para apurar denúncias de comercialização de alimentos com a presença de resíduos de agrotóxicos fora da conformidade legal. O procedimento foi instaurado pelo promotor Marcelo José Zattar Cota. O ato foi publicado no Diário Oficial do MPSC na quarta-feira, dia 11,  no mesmo dia em que a Alesc discutiu a manutenção de isenção de ICMS para os agrotóxicos, mas passou despercebida por quem participou do encontro.