É sempre bom lembrar que a violência na família não deve ser somente atribuída ao espaço que a mídia ocupa hoje na sociedade. Muito antes dos jornais e revistas, antes do rádio, da TV, da internet, a violência que se tem notícia já assolava a humanidade.

No Éden, não existia revista erótica, programas de TV de baixo nível cultural como hoje, “músicas” ridículas, com apelos caóticos, todavia, Caim não pensou duas vezes e esmagou Abel. Aí, os educadores perguntam-se: por quê?
Certa vez, um pai ensinava ao filho que o ser humano tem dois ursos poderosos dentro dele, o urso do bem e o urso do mal. O filho então perguntou: “Pai, qual é o mais forte?”. E o pai respondeu: “Aquele que você alimenta mais”.

O que alimenta a violência? Alguns dirão que é a miséria, outros dirão que é o abandono, alguns se arriscarão a dizer que é a falta de religião. O que levaria um pai a matar uma criança – seu filho – de forma trágica e cruel? Cerca de 40% de todas as ocorrências registradas por mês nas delegacias do estado do Rio de Janeiro são atribuídas à agressão infantil. Dados do Disque-Denúncia revelam que o maior número de casos é registrado na Baixada Fluminense.

Na maioria dos casos, são os pais ou os companheiros dos pais os principais agressores das crianças. Apenas 1% das denúncias são feitas pelas vítimas. “A violência no seio da família assume formas diferentes – desde a agressão física à agressão psicológica – como intimidação e humilhação, incluindo vários comportamentos controladores, tais como, isolar a pessoa da sua família e amigos, controlar e restringir os seus movimentos e o acesso à informação ou ajuda”.

No Canadá, os custos da violência contra a família rondam 1,6 bilhão de dólares por ano, incluindo despesas médicas e baixa de produtividade. (Unicef 2000). Adão e Eva no paraíso tinham a internet do bem e do mal. O provedor do bem deu ao homem a senha da obediência e com ele se comunicava, diariamente. Até que o provedor do mal se instalou, criou o hacker com o vírus do pecado. O internauta pecador digitou a senha e caiu nas malhas da mentira. Caiu a conexão, porque o homem estava fora da área de atuação de Deus!

Claro, a violência é resultado de escolha: pode-se escolher entre o bem e o mal. Então, preparem as costas do educador, porque o peso vai recair sobre ele! Pode-se educar à vontade! A educação pode ajudar a reverter a situação da humanidade! Apesar da perplexidade desta era atual, quando se distribuem computadores como pílulas da felicidade e de saber da origem desse duríssimo dinheiro do povo que é gasto assim para estancar as lágrimas da carência e do abandono das áreas sociais, da saúde e da educação.

Onde e como sobrevivem os educadores mal pagos e mal treinados que sobraram altivos, solidários e quase solitários, gritando no deserto de uma política atroz? Mesmo assim, há esperança. Mãos à obra, heróico povo brasileiro! Qualquer tipo de violação de direitos e/ou violência contra criança ou adolescente.