Foto:Divulgação/Notisul
Foto:Divulgação/Notisul

Nossos antepassados afirmavam com explicações simples que a vida é aprendizado ou que estar vivo é aprender uma nova lição a cada dia. Uma dessas lições, é a necessidade de observarmos bem o modo como os sonhos se realizam. Ainda que cada sonho seja único, é fundamental observar o nascimento das ideias e de como, juntas, formam um tecido complexo, feito de ousadia, persistência e um tanto de humildade para aperfeiçoar cada ideia até o momento em que ela se torna algo material, até o momento em que as ideias se tornam História, que inspira a próxima ideia, que abre a página seguinte e, assim, incansavelmenteo. 

A Unisul comemora, neste 25 de novembro, mais de meio século de uma construção que teve origem no sonho de uma comunidade, de uma região inteira, e que se tornou realidade pela determinação dos pioneiros que o entenderam como possibilidade e pela força de trabalho de todos os que vieram atraídos por ela. A própria história do município de Tubarão nos dá indicativos das influências que inspiraram a construção da Unisul. Resultado da convergência de caminhos, da estrada de ferro e do próprio rio, como artéria a levar vida e desenvolvimento para as mais distantes regiões. As lutas e as lições ficaram inscritas no coração de seus descendentes, de modo que é genético o talento que a Unisul tem, desde o início, para criar novas oportunidades, inovar, abrir novos rumos. 

Foi com esse espírito que em 1964, instalou-se corajosamente nos confins do Sul do Estado, distante 144 quilômetros de Florianópolis. Há 52 anos, portanto, a Unisul tem sido por herança e princípio uma Universidade Comunitária, lugar de convergência, polo cultural, caminho, passagem, rio, artéria por onde fluem novas ideias – onde se misturam saber popular e saber centífico.

Completados mais de meio século, a Unisul, como Universidade Comunitária, vislumbra seus próximos anos vencendo os desafios de um mundo complexo, agregando tecnologias, criando inovações, usufruindo de seus benefícios, mas sem perder os vínculos com suas raízes, que permitem vivenciar uma parceria genuinamente formada com a comunidade à qual pertence.