O Brasil viveu a expectativa do anúncio das cidades sede da Copa do Mundo de 2014 a ser realizada no Brasil. Nós, catarinenses, tivemos a frustação de Floripa ficar fora.
Bem, eu, particularmente, não fiquei frustrado, pois sou contra a realização da Copa em nosso país e tenho os meus motivos, mesmo sendo apaixonado por futebol.
Mas quero aqui citar alguns pontos que não me levaram ao descontentamento pela capital do nosso estado ser descartada, já que meu descontentamento é outro.
Com a escolha do Brasil como sede do mundial de 2014, foram anunciados também milhões e milhões para a construção e reformas de estádios, além de investimentos em infraestrutura, meios de transportes e outros, isso a ser feito em mais ou menos quatro anos. Mas será que é preciso que uma Copa do Mundo venha para cá para que sejam feitos tais investimentos?

A duplicação do trecho sul da BR-101 já demora alguns anos e, pelo visto, ainda vai levar mais um bom tempo para ser concluída enquanto milhares de vidas vão se perder. Os governos, sejam de esferas federal, estadual e municipal, dizem que não se tem recursos para a construção de hospitais, mas estádios luxuosos irão aparecer. Temos também a questão da segurança pública, que é uma porcaria, se bem que temos uma explicação para o desinteresse em se construir cadeias, já que preso não vota, não é mesmo? Tem escolas caindo sobre as nossas crianças, professores tendo que improvisar salas de aulas até em barracas debaixo de árvores e isso também tem explicação: criança não vota!

Falando sobre a questão da saúde pública, a coisa piora ainda mais, pois brasileiros que trabalharam até o dia 27 de maio para pagar seus impostos não têm direito ao atendimento pelo Sistem Único de Saúde, o SUS(que poderia se chamar de SUM, sistema único de morte).
Quero descrever um fato que ocorreu em Brasília, sob as barbas de nossos representantes, uns dias depois de serem anunciadas as cidades sede da Copa Mundo de 2014.

Uma mãe teve que dar à luz a uma menina no banheiro do hospital, já que não conseguiu ser atendida. Esse sim foi um fato que me deixou entristecido e revoltado, já que no Brasil, além de já nascer devendo impostos ao governo, os pais têm que iniciar uma batalha para seus filhos nascerem (e ainda tem gente querendo aprovar o aborto no Brasil, como se já não bastassem cenas como essas).
O pai da criança teve suas mãos que trabalham dia a dia para trazer o sustento de sua família machucadas devido a alguns socos que ele deu na porta do hospital diante de sua revolta.

Os pais decidiram que o nome da menina será Vitória, e estão com toda a razão, pois foi uma vitória mesmo essa criança nascer. Para mim, uma vitória antes da Copa e me deixou mais feliz do que um título mundial para o Brasil.
Quero que o Brasil seja campeão mundial em saúde pública, em segurança, em educação, para que assim possamos cantar todos juntos numa só voz aquela linda frase do hino da independência quando diz…”já podeis da pátria filhos ver contente a mãe gentil…”.