Se olharmos os boletins eleitorais, vemos que muitos eleitores não compareceram para votar nas eleições do último dia 5 de outubro de 2008. Quando recebemos as muitas pesquisas realizadas em praticamente todas as cidades, percebemos o grande incide de eleitores indecisos.
Se consultarmos os eleitores, uma grande maioria votou pela obrigatoriedade do voto, pois não acreditam mais em política, ou propriamente nos políticos.
É preciso mudar!

Mudar a maneira de se fazer política, mudar a consciência dos que nos governam, devolvendo aos eleitores a credibilidade nos atos públicos.
Já melhoramos, graças à ação mais rigorosa da legislação eleitoral.
Mas, se existiu no Brasil um modelo de campanha, eleição e comemoração, certamente é Grão-Pará, um município com pouco mais de cinco mil eleitores, ao sul de Santa Catarina.

Uma cidade até então considerada violenta, de política pesada, de fortes ataques adversários e que recebeu atenção e supervisão especial da justiça eleitoral.
Porém, o que se viu foi uma cidade tranquila, uma campanha sem propaganda ambulante, sem nenhum comício, nenhuma carreata, programas políticos na emissora de rádio local com a maior qualidade, sem qualquer provocação e com uma dia de eleição tranquilo, até pacato.

A coligação Grão-Pará Um Novo Tempo (PMDB, PSDB, PT e PPS), que elegeu o jovem prefeito Valdir Dacorégio e seu vice-prefeito Estevão Guizoni, lançou a idéia de uma campanha de paz, distribuindo um plano de governo arrojado, fazendo inacreditáveis acordos de paz com os candidatos adversários, chegou à vitória e, na noite do último dia 5 de outubro, ao invés das tradicionais carreatas, dos perigosos fogos de artifícios ou dos discursos inflamados, reuniu milhares de pessoas em plena praça em Grão-Pará, deram as mãos, abriram a Bíblia Sagrada, rezaram, comemoraram, porém, sem distribuição de bebida alcoólica ou outros exageros.

Se Grão-Pará acreditou num novo tempo pregado na campanha de Valdir Dacorégio, podemos afirmar com certeza de que foi justamente o modelo de campanha implantado pela coordenação e pelos candidatos que levaram a coligação à vitória.
Isto nos prova que é possível, sim, fazer política com qualidade, política sadia, política sem barulho, sem ofensas e sem dividir a população.

Valdir Dacorégio vinha de um inacreditável empate nas eleições de 2004, quando perdeu apenas pelo critério da idade.
Agora, com a proposta do novo tempo, sem olhar para o passado, focando a campanha apenas no presente e no que pode fazer a partir de 2009, Valdir Dacorégio foi eleito prefeito de Grão-Pará com uma vantagem de 355 votos a mais que o candidato adversário.

Grão-Pará, a partir das eleições de 2008, deixa para trás o título de cidade mais violenta em tempos políticos e passa a ostentar o título de cidade mais organizada, mais calma e motivada de todo o estado e talvez de todo o Brasil.
O eleitor quer apenas duas coisas numa eleição: bons candidatos e bons planos de governo. Grão-Pará apresentou estes dois ingredientes, plantou a semente do novo tempo e agora prepara-se para fazer a melhor administração pública já vista.