Na audiência concedida no dia 16 de março passado aos membros da Congregação para o Clero, cujo prefeito é o cardeal brasileiro Dom Cláudio Hummes, reunidos em assembleia plenária, o papa Bento XVI teve a grande inspiração de anunciar um especial “ano sacerdotal”, que teve início no dia 19 de junho passado, solenidade do Sagrado Coração de Jesus, para se concluir na mesma data do próximo ano 2010. A motivação que levou o papa a ter essa inspiração foi a comemoração do 150º aniversário da morte de São João Maria Vianney, o Santo Cura d’Ars, ele que é o grande e verdadeiro exemplo de pastor a serviço do rebanho do Senhor, padroeiro dos párocos. E propôs como tema: “Fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote”.
O ano sacerdotal, assim, visa a ser uma grande oportunidade: para agradecer ao Senhor a instituição do sacerdócio ministerial, para descobrir a beleza e a importância do sacerdócio ministerial e de cada um dos ordenados, para um aprofundamento teológico-espiritual-pastoral do ministério presbiteral e para um trabalho vocacional indispensável e mais intenso.

A presidência da CNBB, em nome de todos os bispos do Brasil, escreveu uma carta a todos os presbíteros do Brasil, aproveitando a bela iniciativa do papa Bento 16 da convocação do ano sacerdotal. São significativas as palavras dos bispos aos presbíteros nessa carta, o que me leva a trazê-las presentes aqui:
“Amados presbíteros do Brasil! Na solenidade do Sagrado Coração de Jesus, dia de oração pela santificação do clero, por ocasião da abertura do Ano Sacerdotal, convocado por sua santidade, o papa Bento XVI, nós, bispos do Brasil, queremos manifestar nossa profunda gratidão a todos os presbíteros que diuturnamente se colocam a serviço do povo de Deus.

Não obstante as fragilidades, reconhecemos o grande dom de Deus na vida e no ministério dos presbíteros do Brasil. Fazemos nossas as palavras do cardeal Cláudio Hummes no 12º Encontro Nacional de Presbíteros: ‘de modo geral, são homens dignos, bons, homens de Deus, admiráveis, generosos, honestos, incansáveis na doação de todas as suas energias ao seu ministério, à evangelização, em favor do povo, especialmente a serviço dos pobres e dos marginalizados, dos excluídos e dos injustiçados, dos desesperados e sofridos de todo tipo, deles nos orgulhamos, os veneramos e amamos realmente, com claro reconhecimento do trabalho pastoral que realizam’.

Neste ano sacerdotal, desejamos que seja dinamizada a Pastoral Presbiteral, a fim de que venha a ser verdadeiro instrumento de comunhão entre os presbíteros, auxiliando-os nas mais diversas circunstâncias. Para tal, sugerimos as indicações, divulgadas pela CNBB, para o ano sacerdotal.
O ano sacerdotal seja espaço para intensificar e promover a santificação dos sacerdotes e ajudá-los a perceberem cada vez mais a importância do seu papel e de sua missão na Igreja e na sociedade contemporânea.
Ao celebrarmos os 150 anos da morte de São João Batista Maria Vianney, o Santo Cura d’Ars, invocamos sua proteção e inspiração para a vivência do tema do ano sacerdotal ‘fidelidade de Cristo, fidelidade do sacerdote’”.
Vivamos intensamente este ano sacerdotal, na esperança de colhermos muitos frutos.