O caminho de quem escolhe empreender é, por natureza, impreciso, mesmo com a montanha de ferramentas de prospecção, avaliação e gestão oferecida pelo mercado. Afinal, não basta só um grande sonho, uma boa idéia, os elementos complementares certos e o dinheiro para que se torne realidade. Nem sempre estar no lugar certo, na hora exata, com a melhor idéia, é sinônimo de realização plena de um projeto.

A prova cabal dessa imprecisão é que encontramos, por vezes, negócios de sucesso que brotaram, como que por encanto, naquele momento mais improvável, fazendo com que nos perguntemos: como é que isso deu tão certo? E justamente por esses exemplos é que fica possível notar que as fórmulas mágicas para o sucesso, criadas e mostradas em livros pelos chamados “papas” da administração moderna, muitas vezes servem como obra de leitura sem garantia de resultado.

A realidade é bem mais dura e cruel. Não se aprende a empreender em livros ou em escolas que se intitulam centros de excelência empreendedora. O “equilíbrio empreendedor” é uma característica nata em determinadas pessoas. Algumas até podem desenvolver tal habilidade, mas, mesmo assim, poderão nunca ter a chance de ver as idéias transformadas em negócios de sucesso. Fica a pergunta: o que determina, então, a realização de um sonho? O empenho é um fator determinante.

Isso, porém, só se empregado em uma idéia com fundamento, com lógica. Caso contrário, o esforço seria inglório para se chegar a nada. Outros imensuráveis fatores, entre eles, os ideais de cada pensador, sua forma de enxergar as coisas, sua maneira de interagir com o meio, a aplicabilidade de seu pensamento, completam um roteiro que não dá a fórmula exata, mas apresenta caminhos para transformar sonhos em realidade.

Empreender é arte. Fazê-la com sucesso, então, representa obra-prima. Por isso, mesmo sem a receita exata, sem um passo-a-passo detalhado que conduza o sonho à realidade, não se pode desanimar, por mais obstáculos que surjam. Cada idéia, cada negócio, cada empreendedor tem dificuldades a serem transpostas.

Essa é a beleza de nossa existência. Somos livres e donos de nosso destino. O grande desafio é saber como domá-lo. É preciso entender que o conjunto de fatores determinantes ao sucesso de uma empreitada está diretamente ligado a pressupostos de nossa capacidade criativa e empreendedora e também co-relacionado com o meio onde os projetos serão desenvolvidos.

A consciência sobre a viabilidade do que se projeta e a autocrítica são fundamentais no processo. A análise nem sempre é fácil. Muitos empreendedores fracassaram por não possuir a humildade de perceber que seguiam no caminho errado, insistiram em uma idéia que sabiam inválida e teimaram em seguir adiante. Outros tantos tiveram tempo, no meio do caminho, de fazer os ajustes necessários, alterar o que era preciso, muitas vezes até nadando contra a maré, para lá no fim coroar com êxito seu projeto.

A tese de que não existe fórmula exata para transformar sonhos em realidade e idéias empreendedoras em negócios de sucesso está mantida. Agora, porém, sabemos que há um “kit” com itens que podem guiar o dono do sonho. Boas idéias, adequação à realidade do meio, perseverança, perspicácia, capacidade de manobra, autocrítica e capacidade de correção, empenho na busca do ideal, visão holística, espírito desbravador e equilíbrio empreendedor são fatores que devem compor a jornada. Como dosá-los, caberá a cada empreendedor aprender.

Esse é o diferencial que nos torna especiais perante os outros. Pois, se todos soubessem como realizar tal feito, o mundo dos negócios seria sem graça. Se houvesse só empreendedores, e de sucesso, o que seria dos demais profissionais? Pensar sobre isso torna parte de nossos sonhos realidade. Afinal, se nos sentimos diferentes, determinamos a nossa realidade.