Cesar de Souza
desouzacesar22@gmail.com

Creio que não é uma tarefa fácil para um homem, escolher quem vai estar ao seu lado e com quem ele pode contar e confiar. Ainda mais se tratando de homens públicos, com ideias e filosofias e, sobretudo, de partidos diferentes. Mas o que está em jogo é a vida de milhões de brasileiros, que mais uma vez estão apostando democraticamente que este país tome o rumo do crescimento e do desenvolvimento para o bem social e físico de todos os apostadores brasileiros. Todavia, esses homens terão e vão ter que desenvolver uma tarefa importante, que é a de governar, administrar e fiscalizar o dinheiro público para que ninguém roube como fizeram todos os presidentes com os seus respectivos partidos políticos que nos antecederam. Essa, sem sombra de dúvida, será uma tarefa hercúlea, que exigira do futuro presidente muita sabedoria para que tanto os partidos da base governista como os da oposição, não venham praticar os velhos costumes e o Brasil volte a caminhar para trás novamente. Somente por este motivo, então, aposto todas as fichas que o Brasil estará às vésperas de se transformar numa Venezuela.
Acredito que muitos torcem para isto ocorrer, inclusive aqueles que, pensamos, são nossos maiores aliados, como os Estados Unidos, França, Inglaterra, etc… Então, para que este novo governo obtenha sucesso e confiança na governabilidade, todos os homens que o presidente selecione para compor os ministérios, por mais diferentes as siglas partidárias e divergentes na sua filosofia, têm que prestar lealdade como um verdadeiro patriota e, acima de tudo e para todos, amar o Brasil, pois vão prestar um serviço público durante quatro e exaustivos anos, como os legítimos escolhidos nesta eleição. Entretanto, é salutar relembrar que esse embate político foi tumultuado, intempestivo, mentiroso e carregado de descrédito. E o povo brasileiro não merece mais passar por outra decepção pela qual passamos quando tudo veio à tona quando desencadeou-se a Operação Lava-Jato, que fez surgir os grandes escândalos de corrupção, onde bilhões de reais foram desviados para suprir os interesses egoístas dos partidos políticos e de empresários corruptos que faziam parte de um grande esquema.

Atualmente, todos estão presos, graça à coragem e integridade de um patriota filho deste solo, que jamais fugiu à luta e o seu dever para com a pátria, o ex-procurador da República Rodrigo Janot, que recebeu as denúncias, investigou e, como jurista, avaliou a veracidade e autenticidade das provas, e que acabou colocando grandes medalhões da política brasileira na cadeia. O novo presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro do (PSL), disse, desde o início de sua campanha, que vai governar exclusivamente para os brasileiros. Todavia, seguindo sua linha de pensamento, parece que o presidente Bolsonaro, está tendo a cautela de escolher todos os seus homens que irão ocupar devidamente os seus ministérios com muita precisão. Espero que neste momento crucial, o presidente não esqueça do seu principal slogan de campanha, que no meu entender foi e permanece como verdade no meio disso tudo. Não sei quem foi o seu mentor espiritual, mas o candidato e agora presidente eleito, recitava, em ocasiões, um verso bíblico que está escrito em São João – capítulo 8:32 -, que expressa o seguinte; “e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Talvez esqueceram de deixar bem claro para o então presidenciável que as coisas espirituais são discernidas somente para as coisas espirituais. O que eu disse, então? Eu disse que o Messias (Jesus Cristo) escolheu 11 discípulos para compor o seu ministério, e o último, Judas, foi o traidor escolhido pelo diabo. E para aqueles que não conhecem bem sobre a história do cristianismo, Judas foi o tesoureiro do grupo. Podemos dizer que ele seria como Paulo Guedes, o ministro da Fazenda de Bolsonaro. E olha como terminou a história. Então, meus caros leitores, não podemos, sob hipótese alguma, convidar Deus e o diabo para estarem no mesmo ministério. Que realmente o presidente eleito, Jair Bolsonaro, possa se fazer valer da genuína verdade e da sabedoria para escolher todos os homens de excelente caráter, cheios de retidão, honestidade, lealdade para com o seu governo e, sobretudo, para coma a nação verde e amarela. Isso sim é o que podemos identificar e chamar de patriotismo brasileiro. Basta de mentiras e falsidade contra a vida do povo brasileiro. E basta dos Judas que gostam de se infiltrar para arruinar e destruir os sonhos daqueles que nasceram nesta terra e as têm como mãe idolatrada.

Então, que todos os homens do presidente possam compartilhar da mesma verdade que o chefe da nação diz, crer. Ó pátria Amada! Salve! Salve!