Comprovadamente, a liderança pedagógica do diretor de escola é fundamental para melhorar a aprendizagem dos alunos. Eis as tarefas:

1) Ser visto, a cada dia, por alunos e professores, em especial, no início e no intervalo das aulas e fazer cientes todos os funcionários e co-responsáveis pelo ensino, acerca da influência que possuem no aprendizado dos conteúdos e das atitudes dos estudantes (saber a finalidade do que faz e currículo oculto). Deve, com sua equipe, ter como prioridade a articulação dos meios para que se efetivem estas aprendizagens.

2) Apresentar para todos os membros da escola, no início do ano e nos conselhos de classe, posteriormente afixando em corredores e salas de aula: índices de evasão e repetência por disciplina e série, faltas de alunos e professores do ano anterior, notas obtidas pela escola nos últimos Ideb, Saeb e Enem. E, com base nestes dados, aprovar coletivamente as metas e métodos para, no ano em curso, se for o caso, suplantá-las.

3) Expor objetivos, habilidades, competências e valores de todas as disciplinas, com os respectivos conteúdos, por série, adequados e definidos pela mantenedora e as metodologias e material didático estruturado para alcançá-los.

4) Organizar, bimestralmente, no mínimo, capacitação e planejamentos aptos a permitirem que professores vivenciem, e avaliem com os alunos, os quatro pilares que, segundo a Unesco, sustentam a educação (aprender a aprender, aprender a fazer, aprender a ser e aprender a conviver). Viável somente com profundo domínio que possibilite problematizar, transversalizar (a partir do eixo temático) e historicizar os conteúdos. Construir e cumprir com os alunos o contrato didático e as 15 regras do ensino pela atitude, desde a primeira aula. Isso, além das legislações e normas da escola, objetivando a compreensão e o uso do conhecimento e a convivência com os diferentes e com os que não escolheram.

5) Ensinar aos alunos as vantagens de aprender e os hábitos de estudos.

6) Orientar e cobrar dos pais, desde o início do ano, o acompanhamento da vida escolar dos filhos, incluindo temas como respeito, sexo, drogas, más companhias, etc. e sobre como participar da gestão da escola.

7) Acompanhar as aulas para ajudar o professor. Buscar solução rápida e legal para toda percepção ou queixa de mau desempenho ou mau comportamento do professor ou do aluno. A demora agrava o que já está ruim.

8) Observar, antes de aplicar a avaliação, se os instrumentos permitem verificar: a) coerência entre os objetivos, habilidades, competências e valores da disciplina, e os respectivos conteúdos e metodologias trabalhados e os conteúdos e metodologias cobrados;
b) compreensão, diferenciação e aplicação de conceitos, resolução de situação-problema e evolução nas atitudes;
c) se os registros identificam as etapas dos conteúdos e das atitudes que o aluno venceu e as que ainda não venceu.

9) Garantir que as etapas dos conteúdos e das atitudes, que o aluno ainda não venceu, sejam retrabalhadas imediatamente e com outras metodologias.

10) No final do Conselho de Classe, distribuir e cobrar o cumprimento de tarefas para alunos, pais e professores, visando não repetir, no bimestre seguinte, os maus desempenhos nos conteúdos e nas atitudes, do bimestre que finda.