O rio Tubarão é parte ativa na história da cidade de Tubarão, foi o motor de toda uma região, do ponto de vista econômico e social. E dos seus braços com o rio seco teve também sua relevância histórica. Hoje, este rio passa por inúmeros problemas ambientais, por causa do esgoto doméstico, lixo, agrotóxico, e o próprio assoreamento que sofreu após a enchente de 1974.

O rio teve grande importância para os tropeiros pelo transporte de cargas do litoral para a serra. Eles vinham em embarcações maiores até o entre posto de Morrinhos (Madre). A partir desta localidade, o rio tornava-se mais raso, por onde eram necessárias embarcações menores como canoas à corda, margeando o rio até onde são hoje as casas de máquinas do Águas de Tubarão. Por este motivo, a margem do rio não tinha árvores, para facilitar as pessoas carregarem as canoas.

E, com o passar do tempo, o entre posto de Tubarão começou a ter importância econômica, pois era o elo do litoral com a serra, era um ponto de passagem de mercadorias e pessoas, começando assim a surgir pequenas comunidades ao longo do rio Tubarão, e um de seus afluentes, o rio seco. Várias comunidades surgiram ao longo das margens, entre elas Madre, Morrinhos, Santa Rita, Santa Luzia, Andrino, Passo do Gado, Passagem e Campestre.

O rio, na década de 20, 30 e 40 do século 20, era parte das comunidades, tinha uma importância na formação da social, econômica e patrimônio imaterial.
Socialmente. Porque havia o convívio entre as pessoas quando seus filhos iam tomar banho no rio e os pais ficavam conversando ao fim de cada dia árduo nas roças.

Economicamente. A água era retirada com bombas para ser usada nas casas e lavouras, como estradas (rios) para fluxo de mercadorias (por meio de canoas). Outra maneira que o rio contribuiu foi que ele servia de tanque (lavador, primeiro de pedra e depois de madeira) para as mulheres lavarem as roupas de suas famílias e de renda extra para lavar as roupas das outras famílias.

O rio Seco era ponto de passagem das pessoas que levavam o gado da litoral para serra. Mais tarde, foi criado o Campo de Eira para deixar o gado para engordar e os mais magros era vendidos para pessoas das próprias comunidades, a um custo baixo.

Todo este processo foi interrompido com a grande enchente de 1974, onde o rio Tubarão teve sua vazão, deixando muitas perdas no entorno da cidade e região. Após a enchente com o processo de desassoreamento do rio Tubarão, foi mudado o curso do rio, retirando curvas, e uma dessas foi a que fazia a vazão de água para o rio Seco. Por este motivo, foram ocasionados inúmeros problemas que conhecemos hoje, pouca água no rio, escassez de peixes, fim das lavadeiras de beira de rio e com o próprio convívio das comunidades.

Estes rios foram o motor de desenvolvimento da região, gerando um município como ponto estratégico ainda do litoral para a serra. Este rio que tem o nome de Rio Seco, em alguns lugares, é somente um córrego com esgoto doméstico, resto de agrotóxicos e dejetos de animais.