É sabido de vários colegas de profissão, educação física, minha posição a respeito da construção de uma Arena Multiuso em Tubarão. Tenho reiterado que sou contra, defendendo a ideia que o dinheiro que a prefeitura municipal vai investir nela seja utilizado na construção de ginásios de esportes nas comunidades de nossa cidade. Esses “ginásios” seriam uma referência para todos os segmentos da população: poderiam ser locais para realização de festas religiosas, de festas populares (bailes, bingos, quermeses…), além do que é designado prioritariamente, que é o esporte. 
 
Construir ao lado dos centros comunitários, da comunidade que utiliza (evitando gastos com transporte), dividindo a responsabilidade de conservação e manutenção com ela. Os custos fixos com a manutenção dessa Arena Multiuso dariam para construir a cada ano um espaço desse em cada comunidade: R$ 50 mil/mês ou seja, R$ 600 mil ao ano (não é invenção minha – está no projeto). 
 
É muito dinheiro, e, quando sabemos que o esporte tubaronense talvez não gaste isso anualmente, via poder público. Quem vai lotar a Arena Multiuso? Quando tivermos jogos de futsal contra a Malwee (que não existe mais), quando o papa vier a Tubarão (e ele vem sempre), ou quando tivermos um grande show com artistas nacionais. Precisamos sim e isso deve estar bem claro aos políticos de Tubarão que usam os palanques para falar sobre que o esporte afasta os jovens das drogas, é de uma política de esportes. Política essa que venha ao encontro dos anseios da comunidade tubaronense, que efetivamente dê ocupação aos jovens e crianças, que valorize os profissionais de educação física (não com estagiários ganhando R$ 200,00 e professores/técnicos ganhando menos de R$ 500,00), que traga ocupação do tempo livre de forma sadia.
 
Nossa cidade não tem uma praça pública decente, não tem uma academia ao ar livre (comum em várias cidades desse país), não tem espaços esportivos (ginásios) dignos para o esporte (aliás, tem, pois com o que é feito nessa cidade estamos bem servidos), que reduziriam em muito nossos problemas sociais e de saúde pública. Conclamo por fim, aos senhores vereadores, à nossa secretaria municipal de saúde, à de educação, e órgão dirigente esportivo municipal, que façam uma Conferência Municipal de Esportes para tratar dos rumos que queremos para o esporte tubaronense, e para nosso cidadão. 
 
Não temos dinheiro para investir nas áreas sociais, e o esporte é uma delas, e vamos criar um elefante branco para consumir um dinheiro que não temos anualmente. Veja os elefantes de Criciúma, de São José, de Concórdia, e, vários outros. Pergunte qual a utilidade delas, qual o custo de manutenção mensal? Por uma política de esportes para nossa cidade e dignidade para os atletas e esportistas e desportistas.