Toda pessoa que possua uma reserva de dinheiro (poupança) tem a possibilidade de investir esta reserva para valorizá-la cada vez mais. Alguns compram terras acreditando no ditado de “quem compra terra não erra”, mas este tipo de investimento tem uma baixa liquidez, e um histórico de rentabilidade aquém das expectativas. Muitos investem em imóveis com o intuito de ganhos com o aluguel do mesmo. Entretanto, o imóvel lhe dará uma rentabilidade na maioria das vezes menor que 1% ao mês, haja vista o preço dos imóveis, que hoje estão nas alturas.

Então, faço a seguinte pergunta: por que investir em ações? 1º) Alta liquidez; todos que investem em ações tem liquidez imediata de seu investimento. A compra das ações chamadas blue chips (ações de primeira linha) dento como exemplo Vale, Petrobras, Sid. Nacional, entre outras são de liquidez imediata. 2º) Rentabilidade; a rentabilidade do mercado de ações é, sem dúvida, a melhor existente no mercado (veja o quadro com o comportamento de alguns ativos).

As empresas inseridas neste mercado são empresas de grande porte, algumas líderes mundiais em seu segmento, refletindo diretamente nos ganhos para com os seus acionistas. Mas muitos se perguntam: e o risco? Pois bem, o risco existe no mercado de ações, haja vista várias histórias de pessoas que perderam grandes volumes investindo em ações.
O segredo é investir em ações com uma visão de longo prazo (cinco, dez anos), no longo prazo, os riscos caem significativamente e os ganhos são elevados.

A hora de uma crise como a vivenciada no começo deste ano seria a oportunidade perfeita de entrar no mercado, ações com preços em forte declínio, o mercado cheio de notícias ruins com a expectativa de uma crise americana, haja vista a forte desvalorização do Ibovespa (índice que mede a variação do mercado de ações brasileiro), que chegou a patamares de 43 mil pontos e hoje acima da casa dos 70 mil pontos, um ganho de mais de 50% para quem teve a coragem de entrar no momento correto e ter uma visão de longo prazo.