Outro dia, estava refletindo sobre dois importantes símbolos nacionais, a Bandeira Nacional e o Hino Nacional Brasileiro, e quanto desrespeito pude perceber para com esses símbolos olhando para a realidade de nosso país.
Eles demonstram o que o nosso país possui e nos contam as conquistas e os sonhos que queremos realizar, mas, na prática, não é bem isso que acontece.

Comecei analisando a cor verde, que representa as nossas matas, nossa fauna e flora, nossa biodiversidade, nossa Amazônia, que são motivos de alegria para nós, brasileiros, sermos privilegiados com a natureza que Deus nos deu. Porém, infelizmente, o que vemos é o verde perdendo o espaço para os desertos que vão surgindo com o desmatamento desenfreado, sendo trocado pela cor escura das queimadas criminosas e ainda por outro verde que é o das pastagens das fazendas que surgem em lugares que deveriam ser de preservação permanente. Concluí que fica difícil cantar como diz o nosso Hino… “teus risonhos lindos campos têm mais flores. Nossos bosques têm mais vida”.

Em seguida, ao olhar para o amarelo, fiquei pensando nas riquezas que nosso país possui, que deveriam ser motivo de prosperidade para todos os habitantes do nosso país, mas infelizmente o que se vê é toda essa fortuna concentrada nas mãos de poucos. Vimos ainda a Vale do Rio Doce, a maior mineradora do mundo, sendo vendida por um valor muito abaixo do que ela realmente vale e, como se não bastasse, lá se vai todo o seu lucro que poderia ser revertido na construção de hospitais, escolas, universidades, casas populares, presídios. Isso também vai contra o que diz o hino na frase…”e o teu futuro espelha essa grandeza…”, pois, com um presente como esse em que estamos vivendo, fica difícil imaginar um futuro bom.

Bom, passando pelo amarelo, cheguei no azul, fiquei a imaginar o céu do nosso Brasil, pensando como é bom poder contemplar sua imensidão ao caminharmos para o trabalho, na hora do descanso, mas também pensei na multidão de brasileiros que não acham motivo para isso. Não acham motivo porque vivem caminhando cabisbaixos diante do desespero do desemprego, da falta de oportunidades, isso sem contar aqueles que estão de cabeça baixa por causa das dores de suas enfermidades, uma vez que a saúde pública não os atende, até que morram ou percam algum ente querido. Aí me pergunto, como cantar… “dos filhos desse solo és mãe gentil Pátria amada Brasil…”, já que nossos governantes estão sufocando os filhos dessa pátria mãe.

Por fim, ao olhar para o branco, que deveria representar a paz da nossa nação, a tranquilidade, o direito de ir e vir, não houve como não pensar na guerra não declarada que acompanhamos todos os dias. São pessoas e crianças inocentes mortas por bala perdida, a guerra do tráfico de drogas, a violência no trânsito, roubos e assassinatos, entre outras atrocidades. Não consegui cantar a frase que diz… “paz no futuro e glória no passado…” . Que glórias teremos no passado se o nosso presente é de violência, e se não for plantada a semente da paz para o futuro?
Deveríamos nos lembrar de um passado recente em que os brasileiros foram às ruas, pintaram seus rostos com as cores da bandeira e gritaram com força “Fora, Collor”, exigindo a saída de um presidente que traiu o seu povo.

Chega de esperar, já é hora de começarmos a construir o futuro que queremos para os nossos filhos, de unirmos nossas vozes e cantarmos em alto e bom som com a bandeira nas mãos e com coragem, “…verás que um filho teu não foge à luta…”.