Mais um ano se inicia e traz consigo a necessidade de que se continue o intenso trabalho, para que projetos de extrema importância ao desenvolvimento de nossa região se efetivem. Acreditamos que 2009 será um ano significativo em se tratando de experimentarmos o início de uma promissora fase de crescimento, mas precisamos estar atentos e buscar os melhores meios para que estas obras se concretizem, pois delas depende este tão sonhado desenvolvimento. Além disso, ainda que se fale tanto em crise mundial, podemos ter a certeza de que o sul de Santa Catarina não viverá este momento que a muitos têm atemorizado, pois sempre demonstrou superar as adversidades e os desafios impostos, em especial pela falta de infraestrutura logística. Esta é uma característica marcante de nossa região.

Ontem, reiniciamos nossas reuniões de diretoria da associação e certamente retomaremos o incansável trabalho realizado até aqui. Quando mencionamos as obras pelas quais temos trabalhado, isso nos remete ao Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, localizado em Jaguaruna, e que agora aguarda principalmente a assinatura da ordem de serviço por parte do estado, para a realização de sua segunda etapa. Também nos leva a refletir sobre outra grande obra pela qual esperamos ansiosos: a conclusão da duplicação do trecho sul da BR-101.

Especialmente quanto a esta prioridade, vivenciamos logo neste início de ano problemas ocasionados pelas fortes chuvas que, desta vez, acometeram a região sul do estado. Os principais trechos da rodovia comprometidos com as chuvas recentes e que ainda trazem uma série de transtornos foram nas proximidades de Laguna, em Capivari de Baixo, nos municípios vizinhos e principalmente na região de Araranguá.

Entendemos que, enquanto entidade, cabe questionarmos como vem se dando a priorização da execução dos trechos, pois, no caso da região de Araranguá, por exemplo, dos três elevados projetados para Maracajá e Araranguá, apenas um está em fase de conclusão. Caso estivessem prontos, poderiam contribuir por escoar o fluxo que ficou interrompido com as cheias.

Além dos problemas ligados às intempéries, os quais pedem cada vez mais atenção, enfrentamos, especialmente nesta época do ano, em que cresce o número de turistas que vêm à nossa região, um aumento considerável no fluxo de veículos. Em cidades como Tubarão, cortadas pela BR-101, tentar passar pelos trevos de acesso dentro do município tem sido praticamente uma demonstração de paciência. Como os elevados da região de Araranguá, esta situação poderia ter sido priorizada e eliminado mais este “gargalo”, assim como o transtorno decorrente dele.

Estamos certos de que há recursos disponíveis e que as autoridades responsáveis estão se empenhando para agilizar esta obra, e também que empresas que trabalham na obra estão fazendo o possível para cumprir seu papel. Mas há problemas, com certeza, já que uma obra que estava prevista para ter 70% de seu total concluído em 2008 agora traz a perspectiva de ter menos do que isso, 60%, e em 2009. Cabe às entidades que representam a sociedade civil organizada contribuir com o que for necessário, através de discussões e debates voltados a alternativas que tragam a solução destes problemas e a conclusão o mais rápido possível. Aguardamos assim, com a retomada das reuniões da associação, contar com a atenção das autoridades a fim de que sejam fomentados estes debates.

Ainda sobre nosso município, outro de nossos objetivos é ser parceiro do governo municipal em todo o trabalho que tange o desenvolvimento de Tubarão. Entre outras prioridades, como a construção de novas pontes, a captação de novas indústrias e a geração de novos postos de trabalho, é preciso também agilizar o desassoreamento do Rio Tubarão, como muito vem sendo falado nesses dias, pois presenciamos há menos de duas semanas a elevação do nível das águas do rio, causando grande inquietação na população.

Assim, a Acit inicia o ano de 2009 externando sua disponibilidade em sempre contribuir, exercendo seu papel de agente articulador e aglutinador de forças, focada no bem-estar e desenvolvimento do município e da região, o que passa pelo crescimento da classe empresarial.

Continuamos acreditando em algo que só tem mostrado resultados positivos: de que juntos nossas conquistas e anseios terão respostas ainda mais rápidas, refletindo em um contexto de prosperidade e qualidade de vida a todos.