Sou e serei eternamente grato ao povo tubaronense por me conceder, pelo voto direto e secreto, o 5º mandato consecutivo de vereador. Sinto-me, com esta honraria, cada vez mais comprometido com as causas coletivas de nossa cidade. Retomarei, consequentemente, com mais disposição, todos os projetos citados no meu site e no informativo da campanha, principalmente o que objetiva preparar Tubarão para se beneficiar do progresso que advirá com a duplicação da BR-101 e com o Aeroporto Regional – sem perder o status de cidade ainda segura.

Esta foi, sem dúvida alguma, a eleição mais gratificante e cheia de significados. Lutamos, conforme amplamente divulgado, contra tudo e contra todos. Um grupo dentro de meu partido, por interesses pessoais, não só me excluiu de qualquer participação majoritária, como agiu deliberadamente para que eu não me reelegesse. Mas o povo, sábio como sempre, nas urnas, separou o joio do trigo, porque…
1) Desmontaram a cúpula vitoriosa da educação e mantiveram outros sob ameaças para me atingir, mas o efeito foi o contrário: aumentamos significativamente os votos no setor.
2) Congestionaram a minha região entre a avenida Pedro Zapellini e Congonhas, com cinco candidatos a vereador do PMDB, deixando outras áreas importantes da cidade a descoberto. Ganhamos ali em todas as urnas.

3) Hostilizaram-nos e plantaram mentiras durante toda a campanha, inclusive na véspera e no dia das eleições, dizendo, nas filas de votação, que não adiantava votar no professor Maurício porque ele estaria preso. De fato estava, de fato estou, há 16 anos, nos braços do povo, que conferiu votação para permanecer, a partir de 1º de janeiro, por no mínimo, mais quatro anos.
4) Escalaram, finalmente, lideranças estaduais para me pressionar.
Não utilizamos, na minha campanha, a estrutura partidária, tampouco vinculamos o meu nome ao de outras pessoas para conquistar votos. Não tivemos padrinhos, nem financiadores. O povo votou em nós, por si e por nós.

Mesmo com toda esta avalanche, mantivemos a postura reta. Reforçávamos aos nossos colaboradores e nos poucos comícios dos quais participamos, que não falassem mal de ninguém, mas que usassem toda energia para discorrer sobre os nossos projetos.
A adesão crescente à nossa campanha é um demonstrativo claro que na política há lugar para coerência, para a decência, para a ética e, principalmente, para projetos factíveis.
Não há ressentimentos. Apenas vontade férrea de trabalhar mais, de restaurar a identidade e a confiança da população no meu partido (PMDB), e de gritar a plenos pulmões: Muito obrigado, Tubarão! Uma grande lição foi dada. Se todos aprenderam, é outra questão.