No auge da dor que nos enluta e esmaga o coração, busco força nas sábias palavras do teólogo Reinhold Niebuhr: “Concedei-nos, Senhor, serenidade para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras”.

Muitos dos nossos irmãos catarinenses tiveram perdas materiais, que desestruturaram vidas, projetos e sonhos. É importante que não esmoreçam, pois é na hora em que a fé, a esperança e os sonhos mais parecem absurdos que devemos dobrar a aposta no futuro. A solução não pode ser crer menos, mas crer mais; a decisão não deve ser esperar menos, mas esperar mais; a conclusão não pode ser sonhar menos, mas sonhar mais.
E, estejam certos de que não falharemos na nossa missão de lutar pelo desenvolvimento do nosso Estado. Todos juntos, unidos e coesos, vamos superar a pior tragédia de toda a história de Santa Catarina.

Os catarinenses, como já aconteceu outras vezes, estão emocionando o Brasil com a sua fé, sua determinação em reconstruir suas vidas, sua capacidade de enfrentar, de cabeça erguida, as catástrofes que lhe atingem, dando-se as mãos e unindo-se em mutirões para reconstruir suas vidas, seus bairros, suas cidades.
Não posso deixar de registrar, com profunda gratidão e emoção, a imensa solidariedade posta em marcha por um exército de voluntários, daqui mesmo do nosso estado e das outras unidades da federação. Em nome do povo catarinense, agradeço, comovido, a demonstração de fraterna amizade que nos une a todos, brasileiros de todos os cantos e recantos.

De fato, o melhor do Brasil são os brasileiros!
Também não posso deixar de mencionar o orgulho pela dedicação sobre-humana de milhares de servidores que viram noites e dias para minimizar a dor e o sofrimento de tantas famílias enlutadas, desabrigadas ou desalojadas.
Exército, Marinha e Aeronáutica, honrando sua tradição de garantes da unidade nacional, mais uma vez se fizeram presentes, prestando inestimável serviço humanitário.

Do governo federal, estamos recebendo ajuda maiúscula, à altura da gravidade da tragédia. Tanto o presidente Lula, quanto seus ministros, estão tendo uma atitude digna e republicana.
Também aos meios de comunicação, incansáveis na competente cobertura deste trágico evento, somos imensamente gratos, seja pela reiterada conclamação à solidariedade, seja pela continuada veiculação dos postos de recolhimento de doações e contribuições.

“A morte de qualquer homem me diminui, porque eu sou parte da humanidade. Por isso, nunca procure saber por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”, disse John Donne. A todos os apóstolos da fraternidade espalhados por esse imenso Brasil, os catarinenses enviam os mais sinceros agradecimentos pelos sons emocionantes de tantos sinos a dobrarem por nós.
O escritor francês Victor Hugo nos ensina uma bela lição de vida ao dizer: “Sede como os pássaros, que, ao pousarem um instante sobre ramos muito leves, sentem-nos ceder, mas cantam! Eles sabem que possuem asas”.
Graças à solidariedade de tantos e à têmpera de aço dos catarinenses, voltaremos a cantar em breve e a voar muito mais cedo. Temos asas…