Excelência significa ser o melhor. Santa Catarina já é reconhecido como o estado melhor em turismo no Brasil. Para manter a condição de excelência e melhorar esta condição, o que falta fazer?
De acordo com Fernando Marcondes de Mattos, empresário e presidente do Conselho Estadual de Turismo, oito postulados constituem esta condição, “do que falta fazer” – isto dito em entrevista ao DC (29/05/2008).

Esses postulados são: um plano estadual de capacitação, a partir de pesquisas de potenciais e necessidades; um plano estadual de segurança; um plano estadual de gastronomia, com valor agregado; um programa estadual de informação e divulgação; um plano estadual de esporte turístico, a partir do patrimônio natural; um programa de saneamento básico, de águas e esgotos; um programa de humanização das rodovias, belas e seguras.
Tais postulados são exigências materiais do desenvolvimento sócio-econômico a partir do turismo.

Não contêm, contudo, um diferencial de atração e de satisfação do turista. São postulados necessários, mas, não suficientes.
O diferencial – admitidos os referidos postulados e sem esquecer obras de infra-estrutura física e social pelos poderes públicos – é o turismo cultural-religioso, entendendo-se a cultura como o modo de relacionamento dos seres humanos entre si, com a natureza e com Deus (o sobrenatural).

A região propicia o Roteiro da Diversidade. Aqui não cabe especificar a diversidade da natureza e étnico-cultural. Afirma-se – e pode-se comprovar – que a diversidade é singular, talvez, única no Brasil e no mundo… O sul de Santa Catarina, em especial, a região da Amurel, da Bacia Hidrográfica do Rio Tubarão e Complexo Lagunar, da diocese de Tubarão… contém riquezas e potencialidades a valorizar e a aproveitar, talvez, inéditas.

O valor religioso cristão, como elemento do conceito de cultura, faz-se presente em todo o território catarinense e em todas as comunidades, aglutinando-as e mantendo suas singularidades na diversidade convergente. Assim, o povoamento se deu no espírito pioneiro, cuja vivência prática fez as comunidades gravitarem em uma tríade de tradição e de participação solidária: família, escola e igreja, sob a proteção de Deus e/ou de seus santos e anjos.

Hoje, à par dos festejos religiosos locais e regionais resultantes do processo de povoamento, este valor religioso cristão vem sendo vivificado e multiplicado pela Santa Paulina (Nova Trento) e pela Bem-Aventurada Albertina (São Luís, do município de Imaruí e da paróquia de Vargem do Cedro). Este é o pólo do Roteiro da Diversidade regional, pois opera nos 12 meses do ano, é nucleador, vertebrador e articulador.

Logo, o turismo cultural-religioso é o fundamento da excelência singular, é o diferencial do turismo em Santa Catarina e, na região sul catarinense, tem raízes sócio-culturais ímpares no Brasil. Isto não é mera opinião ou sonho: pessoas e instituições estão organizando-se com vistas à implementação de ações inerentes. A dignidade dos seres humanos, respeitando a natureza e possibilitando o desenvolvimento sócio-econômico das comunidades, tem no valor cristão, em Albertina, motivações de vida material e espiritual, transitória e perene.