A o refletir sobre essa “famosa” frase de Pitágoras, fiquei pensando o quanto as coisas seriam melhores em nosso país se os responsáveis pela educação entendessem que o futuro de uma nação passa por ela. É triste ver a realidade de alguns alunos que têm que estudar em salas de aula depredadas e caindo aos pedaços, como vi certa vez numa reportagem em que uma professora improvisou a aula debaixo de uma árvore, crianças sendo transportadas em caminhões sem o mínimo de segurança. Isso sem contar os baixos salários pagos aos professores da rede pública.

É na sala de aula que se formam os profissionais do futuro, os médicos, os engenheiros e todas as mais demais profissões, mas, além disso, uma educação de qualidade também deve formar cidadãos conscientes de seus direitos e deveres, para que continuem a construir o futuro que desejam para si e para as gerações futuras. Se é verdade como alguém já disse que o melhor modo de prever o futuro é criá-lo, então de braços cruzados não há garantia de futuro promissor para ninguém.

Porém, deve-se frisar que é preciso que os profissionais da educação sejam bem remunerados, trabalhem com vontade não só de formar profissionais, mas formar uma sociedade com sendo crítico, exigindo leis que garantam uma vida digna para seus membros. Não basta apenas sermos máquinas de trabalhar, conhecer as partículas de um átomo, por exemplo, é preciso conhecer quais são os rumos que devemos tomar dia a dia, conhecer quais os sonhos que uma nação busca e fazer da vida não apenas uma passagem por este planeta, mas uma constante caminhada a ser seguida pelos próximos que virão.

Para isso, é preciso que se criem políticas públicas que fortaleçam a educação, para que seja sempre vista como uma prioridade, e jamais possa faltar-lhe ferramentas a fim de que ela desempenhe seu papel frente à sociedade. Claro que há um longo caminho a ser seguido, mas alguma coisa já está mudando, como programas tipo Prouni, Bolsa Família, porém, tem muito que melhorar. Lembro-me de um professor que dizia que alguns políticos têm pavor de professores, pois eles podem construir uma sociedade com membros que não se calem diante de suas dificuldades, mas que vão em busca de seus direitos.

Como sinto falta dos caras pintadas indo nas ruas exigindo a saída do ex-presidente Fernando Collor, de pessoas corajosas como Dom Hélder Câmara denunciando as injustiças sociais, daquelas músicas que batiam de frente contra a repressão ao povo e motivam todos a não calarem a voz.

Outro dia, vi num programa um deputado que não cheguei a descobrir de qual estado era, nem se era federal ou estadual, mas o cidadão, ao ser questionado sobre a situação das cadeias no Brasil, quando a apresentadora disse que os presos são simplesmente “socados” dentro de uma cela, ele disse que era melhor eles estarem socados do que cometendo crimes na rua.

Com certeza, esse deputado desconhece a frase de Pitágoras, pois não entende que é melhor investir no ser humano enquanto ele está formando sua personalidade, para que se tenha oportunidade de vida, torne-se um profissional e tenha um emprego digno para manter sua família e assim não cair na marginalidade. Claro que um criminoso tem que pagar pelo seu delito, mas, se não fizer um trabalho digamos de prevenção, não vai adiantar depois querer colocar pena de morte ou diminuir a maioridade penal.

Lembro das palavras de um bispo que dizia que, quando a água que abastece uma cidade estiver contaminada, em vez de se colocar filtros nas torneiras, é melhor purificar a fonte, o trabalho será completo e eficiente. Por isso, é preciso mais do nunca investir em educação de qualidade, para que, além de formar bons profissionais, sejam formados também brasileiros conscientes de que o futuro se constrói trabalhando, preparando sempre um país melhor para as próximas gerações.

Vamos levantar a bandeira da educação, exigir de nossos representantes que sejam criadas políticas que visem sempre melhorar o ensino nesse país, pois pensar como esse deputado que é melhor socar o presos nas cadeias do Brasil que não recuperam ninguém para resolver o problema da criminalidade é querer dar solução fácil para um problema difícil.

Queremos, sim, dando ênfase à frase de Pitágoras, educar nossas crianças hoje para que no futuro elas tornem-se pessoas de bem, e não seja preciso castigá-las por cometerem delitos devido muitas vezes à falta de oportunidade.