No dia 15 deste mês, comemora-se o Dia Internacional do Consumidor. Em vários lugares do mundo a data é lembrada. Seja para reflexão, seja para avaliação, seja, quem sabe, para relembrar a importância deste dia.
Aqui no Brasil não é diferente. Há 20 anos temos o Código de Defesa do Consumidor, que deu o norte a todas as entidades que tratam da educação para o consumo. Entre elas os movimentos de donas de casa e dos consumidores, como é o caso da Adocon de Tubarão.

Neste dia, cada entidade procura alertar para algum aspecto que venha a ser lembrado em prol do bem estar do nosso planeta. O consumo consciente é o objetivo principal quando lembramos que a terra pede socorro. A água potável pode faltar. O lixo precisa ser reciclado.
Por isso, as entidades de defesa do consumidor fazem o apelo para que todo o cidadão seja um consumidor consciente. Como? Antes de comprar, lembre porque está comprando, o que está comprando e como está comprando.

Quando se fala em responsabilidade social, é necessário incluir três públicos para a importância da prática: o governo, a empresa e o consumidor. O tripé – fornecedor, produtor e consumidor – precisa assumir suas responsabilidades para que o objetivo da educação para o consumo seja alcançado.
Com isso, diante da tecnologia na produção, da qualidade nas embalagens, do crescimento na oferta, do mercado cada vez mais diferenciado e dos avanços no mercado de consumo, é necessária a preocupação do destino final do lixo gerado.

Ultimamente tem-se observado que a oferta no mercado tem crescido, como também a qualidade dos produtos cada vez mais atraentes. Comércio aberto, horário mais extenso, facilidade de acesso, publicidade bem elaborada e o consumidor agindo muito mais por impulso, sem conscientizar-se do risco.

A prova disso é a inadimplência crescente, juros mais altos, parcelamentos maiores e endividamento insuportável. O SPC e o Serasa cheios de consumidores, créditos consignados cada vez mais crescentes e o meio ambiente mais degradado. Além disso, a saúde dos consumidores é afetada, enchendo os consultórios cardiológicos devido a diversos problema, mais comumente a pressão alta, diabetes e depressão.
Portanto, o consumo consciente é fundamental para o equilíbrio econômico, social do nosso planeta, como para o bem estar de todo cidadão. Viva o consumidor consciente!