No Brasil, a depressão é a doença que mais afeta a qualidade de vida das pessoas. Mas a evolução nos tratamentos vem contribuindo para a melhora (remissão) desse mal. Os quadros depressivos nem sempre são acompanhados por tristeza ‘psíquica’. Frequentemente, os sintomas envolvem desânimo, alterações no apetite, no sono, comunicação e conteúdo dos pensamentos. 

Quando recorrente, a depressão pode tornar-se crônica, sendo importante, frente à melhora, o tratamento de manutenção envolvendo bons hábitos de vida, medicamentos antidepressivos e psicoterapia.

A melhora completa é possível, isto porque a meta do tratamento é a remissão, pois a permanência de sintomas, além do sofrimento decorrente, pode agravar a doença. Nesse campo, os medicamentos estão em constante evolução, reduzindo os efeitos adversos que frequentemente levam o paciente a interromper o tratamento. Novas alternativas, cujo início da ação é mais rápido, estão em estudo com resultados promissores. 

Pessoas em quadros depressivos leves pouco se beneficiam de tratamento medicamentoso, mas têm benefícios na psicoterapia. Na avaliação diagnóstica, é essencial diferenciar/identificar os casos de depressão como episódio de um Transtorno Afetivo Bipolar, já que o tratamento e curso são diferentes.

Bons hábitos, como alimentar-se e dormir adequadamente, praticar exercícios e manter contato com pessoas queridas, são fundamentais para o paciente atingir a melhora completa (remissão) e evitar agravos e recaídas.