A hipnose é um estado especial de consciência que possibilita mudanças de ordem fisiológica, comportamental e psicológica nas pessoas. A hipnose clínica ou hipnoterapia, como também é chamada, utiliza a hipnose para fins terapêuticos e curativos, facilitando, agilizando e potencializando o processo de cura, mudança e transformação das pessoas. Neste artigo, será discutida a hipnose aplicada ao tratamento psicológico (psicoterapia), realizada por psicólogos e psicoterapeutas com formação em hipnose.
 
O primeiro passo para qualquer tratamento psicológico é a realização da entrevista de anamnese, onde o profissional vai conhecer a pessoa, seu histórico de vida e o que ela deseja tratar. A partir daí, é realizado o diagnóstico e o planejamento do tratamento.
 
O passo seguinte é o tratamento propriamente dito e, caso seja indicado o tratamento com hipnose, o hipnoterapeuta utiliza técnicas específicas de indução para levar a pessoa ao estado de transe hipnótico. Sensações normais sentidas pelas pessoas no estado de hipnose são: sensação de leveza ou de peso no corpo, sonolência, relaxamento muito profundo, sensação de paz e bem-estar, sensação do corpo estar anestesiado, corpo imóvel (a pessoa não tem vontade de se mexer) e etc. 
 
Por parecer que a pessoa hipnotizada está dormindo, a hipnose ficou associada ao sono, no entanto, a pessoa hipnotizada fica acordada, ouvindo o hipnotizador num estado de concentração e relaxamento profundo. Mesmo assim, ao sair do estado hipnótico, é comum a pessoa não lembrar do que lhe foi dito ou lembrar vagamente. Como a pessoa fica acordada, ela pode sair do estado hipnótico no momento que desejar, mas como este estado dá uma sensação de bem-estar e conforto muito grande, dificilmente a pessoa deseja sair dele antes que o hipnólogo anuncie o final da sessão e o momento de voltar ao estado normal de vigília. 
 
Depois que a pessoa está em transe hipnótico, começa-se então a aplicação das técnicas psicoterapêuticas adequadas para ela. Podem ser aplicadas técnicas de regressão de memória, programação neurolinguística, dessensibilização, programação mental e etc. Há uma infinidade de técnicas possíveis de serem utilizadas num tratamento psicológico e cabe ao profissional decidir as mais adequadas para cada paciente. Em algumas técnicas, é necessário que a pessoa fale durante o transe; já em outras, a pessoa em hipnose fica apenas acompanhando a voz do hipnólogo.
 
Nesse estado de transe hipnótico, é possível acessar conteúdos internos inconscientes, ou seja, que não eram mais lembrados. Após acessar essas informações, sensações, sentimentos, decisões e experiências passadas há muito tempo esquecidas, elas são trabalhadas e ressignificadas de modo que não possa mais influenciar negativamente a pessoa.
 
Não há como determinar o número de sessões necessárias para cada caso, mas sabe-se que a hipnose pode agilizar o tratamento de forma significativa. Em geral, a pessoa começa a sentir melhora desde as primeiras sessões, melhorando gradativamente até resolver suas dificuldades, passando a utilizar mais e melhor seus recursos e qualidades para sua felicidade e realização. 
 
Algumas indicações da hipnose clínica são: ansiedade, estresse, gagueira, insônia, bruxismo (ranger de dentes), medos, fobias, timidez, transtornos alimentares (bulimia, anorexia, obesidade etc.), Depressão, alcoolismo, hábitos indesejáveis, tiques nervosos (cacoetes), transtorno obsessivo-compulsivo (toc), tabagismo (vício cigarro), drogadição (vício drogas), síndrome do pânico, síndrome pós-traumáticas, desenvolvimento de habilidades, rompimentos amorosos, perda de pessoas queridas (luto), aumento rendimento escolar, desportivo e profissional, preparação para exames, concursos e entrevistas, aumento auto-estima e autoconfiança, disfunções sexuais, emagrecimento, regressão de memória (traumas passados).