É interessante perceber como a grande maioria da população vive hoje em um ritmo de vida acelerado. O que traz à tona uma reflexão: como as pessoas estão levando a vida? Ou, que vida elas estão levando? É certo que hoje as pessoas estão mais ocupadas, tanto homens quanto mulheres, estão com uma maior carga de trabalho, mais responsabilidades, mais cobranças. O que os faz levar a vida na direção que a vida levar… sem perceber que o tempo está correndo… sem desfrutar dos bons momentos da vida. Enfim, estão vivendo sob pressão e cobranças do mundo externo. 

As cobranças, quando sentidas intensamente pelo indivíduo, podem causar emoções disfuncionais, como a ansiedade, por exemplo, muito comum atualmente. Todas as pessoas podem sentir ansiedade, principalmente com a vida atribulada. É uma sensação normal em todos os seres humanos que têm uma importante função homeostática. É um “aviso” de que algo não está bem, que há algum perigo percebido, real ou não, interno ou externo. A ansiedade pode ser boa. Em níveis equilibrados, nos motiva para agir. Porém, em níveis exagerados, passa a não mais nos proteger, mas a paralisar diante de coisas que não merecem tanto medo.

É bom saber que o corpo dá os sinais, por isso a importância de tomar consciência do próprio corpo, ou seja, estar atento e perceber as emoções e as reações. Muitas pessoas vivem durante anos com emoções, pensamentos e comportamentos disfuncionais, até mesmo acostumando-se com isso, aceitando como “normais”. Mas não, pode ser um estado patológico, que causa prejuízos de alguma ordem (pessoal, social, financeira, etc.), afetando drasticamente a vida do indivíduo.

A ansiedade resultou em um “efeito colateral” da vida corrida e agitada que levamos hoje, em que o aumento das cobranças, sejam internas e/ou externas, e a correria do dia a dia fazem o indivíduo reagir de maneira disfuncional, com comportamentos manifestados pela inquietude, impaciência, irritabilidade, apreensão, desânimo, insônia, dificuldade de concentração, depressão, entre outros. É necessário ficar atento e, se perceber algumas das manifestações citadas anteriormente, talvez seja a hora de repensar seus hábitos e desacelerar. Estar atento também aos pensamentos, pois a ansiedade domina a nossa cabeça com pensamentos negativos. Buscar ter pensamentos realistas, racionais e positivos contribui de maneira sadia para o controle da ansiedade, dando tranquilidade e sabedoria para o gerenciamento das situações. 

Além do controle e monitoramento dos pensamentos, devemos, principalmente, viver o hoje, o presente! Saber desfrutar das vitórias, das conquistas alcançadas. Infelizmente, presenciamos o contrário. As pessoas planejam suas metas e quando as alcançam já partem para outra sem curtir a conquista e o prazer da vitória. Estão perdendo a melhor parte: a vida!

Portanto, devemos “viver”… sem pressa e sem pressão do mundo externo. A vida é um constante fluxo… de ir e vir. E para tudo existe o tempo certo.