Sabe-se que não apenas a agricultura patronal causa impactos ambientais, a agricultura familiar também os ocasiona, isto por consequência das diretrizes básicas do modelo empregado nos dias atuais. Tendo em vista práticas agronômicas utilizadas com alta frequência e inadequadas por estas propriedades. A decorrência é devido à falta de incentivo a uma agricultura mais sustentável e ao sistema partenal que ainda há. Outro ponto é a própria necessidade deste agricultor familiar que depende diretamente da terra para sua subsistência, o que acaba intensificando a utilização da terra e deteriorizando os recursos naturais.

Assim sendo, uma proposta seria a de aliar princípios de uma agricultura ecológica embasada na biológica, com práticas racionais da agricultura familiar do sistema convencional. Diante disso, princípios como a estimulação da vida microbiana no solo e práticas de biocontroles de insetos-praga e doenças, além da diversificação e/ou consorciação de culturas, obteriam uma agricultura familiar mais sustentável e rentável. O que na verdade refere-se a práticas agronômicas que visem à utilização de técnicas sem degradar o meio e que permitem ao agricultor retirar desta o seu sustento sem danificar o agroecossistema.

Falar em sustentabilidade e apresentar técnicas a estes agricultores, estas que irão ao início diminuir a produção e a rentabilidade, não é tarefa fácil. Entretanto, é uma necessidade. Por vias, é necessário garantir a credibilidade e confiança destes agricultores para com os profissionais e, para isso, a amostragem de resultados destas práticas que deram certo é de extrema importância.
Diante disso, o incentivo à pesquisa torna-se ponto crucial para assim atingir a sustentabilidade sócio-ambiental-econômica, não apenas nos pequenos agricultores, mas nos grandes latifundiários que possuem o sistema convencional.

Todavia, para atingir a sustentabilidade do planeta, requer-se antes de qualquer coisa a conscientização de cada ser humano, e isto se consegue através de uma boa educação básica. Contudo, é importante que o governo entre em ação, melhorando cada vez mais a formação de cada cidadão e adicionando ao currículo escolar disciplinas como educação ambiental e ética.
Desta maneira, deve-se controlar os recursos humanos, controlando o desenvolvimento deste, sem aniquilar o desenvolvimento da humanidade e, para que isto ocorra, ideologias e práticas de sustentabilidade serão necessárias.