Não é preciso ser especialista em trânsito, nem trabalhar nesta área para concluir que os acidentes aumentaram assustadoramente em nossa cidade. Para tal conclusão basta apenas você ser um pouco observador, e verá, sem o auxílio de lupa, a olho nu, que a situação é realmente grave. Principalmente no que se refere aos acidentes envolvendo motociclistas. Quando não são fatais, geralmente deixam as vítimas sequeladas, à mercê de tratamento médico para o resto de suas vidas. Quem paga a conta da tragédia são os familiares, que, quando não choram a dor da perda, amargam a tristeza de ver seu ente com sérias restrições, totalmente dependente da ajuda alheia.

Atualmente, é muito fácil para qualquer pessoa entrar em uma revenda de veículos e sair com uma motocicleta zero quilômetro de tanque cheio. Para isso basta apenas você financiar o valor a perder de vista. Desta forma, está cada dia mais comum pais darem aos seus filhos, como presente de aniversário na maior idade, o tão cobiçado presente. Se você educou seu filho para a vida em sociedade, tudo bem, realmente é um presente interessante e com certeza vai agradar. Tragédias podem ocorrer a qualquer pessoa, mesmo aquelas mais cautelosas não estão livres de sofrer o infortúnio de um sinistro automobilístico.

Portanto, não podemos nos privar de adquirir bens que facilitarão nossas vidas, ou a vida de nossos filhos, em virtude do medo do que pode vir a ocorrer. Obviamente, sem esquecer da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Em contrapartida, se você não educou seu filho para a vida em sociedade, não mostrou a ele o caminho das pedras, com certeza não vai saber discernir o certo do errado. Inclusive no que se refere ao bom comportamento no trânsito.

A educação, em sentido geral, é um a questão de berço. Entenda! Berço não significa riqueza de bens, mas sim riqueza de caráter e valores, indispensáveis ao convívio harmonioso entre as pessoas. Os seres humanos são diferentes, e a forma de agir é uma peculiaridade individual. No entanto, não podemos esquecer que a fruta não cai muito longe do pé. Ou seja, se você foi um idiota quando era jovem, a possibilidade de seu filho ser um idiota é muito grande. Então não potencialize sua idiotice dando a ele um presente que poderá lhe causar mal, ou a outros inocentes.

Afinal, agora você já é pai, e pensa com o cérebro, não com o intestino. Se a rebeldia dele for maior do que sua força, lute no ‘cabo de guerra’ contra ele, puxando para o lado certo. Se suas forças se exaurirem aguente firme a corda até o ponto de ruptura, ao menos você não terá lavado as mãos. Pois a bacia de Pôncio Pilatos está vazia de tantos pais que lavaram suas mãos e hoje choram nas lápides impermeáveis da saudade. Pare de ficar procurando culpados, reflita mentalmente, mas não esqueça de refletir diante do espelho, pois ali é que você vai encontrar o verdadeiro culpado.