Em primeiro lugar, vamos definir o conceito de aborto. O aborto é a morte de uma criança no ventre de sua mãe produzida durante qualquer momento da etapa de vida que vai desde a fecundação (união do óvulo com o espermatozóide) até o momento prévio ao nascimento.

Certamente, o maior dom que Deus concedeu aos homens é a vida. Torna-se inadmissível, portanto, que um cristão seja favorável ao aborto.
A igreja católica apostólica romana condena o aborto em qualquer estágio e em qualquer circunstancia, permanecendo até hoje como opinião e posição oficial. Essa posição baseia-se em quatro princípios:
1) Deus é o autor da vida.
2) A vida se inicia no momento da concepção.
3) Ninguém tem o direito de tirar a vida humana inocente.
4) O direito à vida é um elemento constitutivo da sociedade civil e de sua legislação.

Esses princípios estão todos baseados nos testos bíblicos, que mostram o amor de Deus pela vida desde o princípio. Cito aqui alguns: “Antes que no seio fosses formado, eu já te conhecia; antes de teu nascimento, eu já te havia consagrado” (Jr 1,5); “Sim, fostes vós que me tirastes das entranhas de minha mãe e, seguro, me fizestes repousar em seu seio. Eu vos fui entregue desde o meu nascer, desde o ventre de minha mãe vós sois o meu Deus” (Sl 22, 10-11); “Em vós eu me apoiei desde que nasci desde o seio materno sois meu protetor; em vós eu sempre esperei” (Sl 71, 6); “Vede, os filhos são um dom de Deus: é uma recompensa o fruto das entranhas” (Sl 127,3); “Tua mulher será em teu lar como uma vinha fecunda. Teus filhos em torno à tua mesa serão como brotos de oliveira. Assim será abençoado aquele que teme o Senhor” (Sl 128, 3-4); “Fostes vós que plasmastes as entranhas de meu corpo, vós me tecestes no seio de minha mãe. Sede bendito por me haverdes feito de modo tão maravilhoso. Cada uma de minhas ações vossos olhos viram, e todas elas foram escritas em vosso livro; cada dia de minha vida foi prefixado, desde antes que um só deles existisse” ( Sl 139, 13-16 ); “Não matarás (Ex 20.13).
A ciência prova que a vida começa durante a fecundação do óvulo. Nesse momento, já existe vida, o que faz que aquele ser seja dotado de alma e conhecido de Deus (Jr 1,5).

O catecismo da igreja católica deixa claro no seu artigo 4º: “A cooperação formal para um aborto constitui uma falta grave. A igreja sanciona com uma pena canônica de excomunhão este delito contra a vida humana. “Quem provoca aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae pelo próprio fato de cometer o delito” e nas condições previstas pelo direito. Com isso, a igreja não quer restringir o campo da misericórdia. Manifesta, sim, a gravidade do crime cometido, o prejuízo irreparável causado ao “inocente morto, a seus pais e a toda a sociedade”.

A preservação e a beleza da vida é uma dádiva de Deus reconhecida no mais sublime nascimento de uma vida humana. Quando Deus esteve ao mundo veio aos homens em forma humana para nos mostrar o seu amor.