Os alunos de Capivari de Baixo preparam-se para as provinhas deste mês. Somente duas escolas farão o exame nacional.
Os alunos de Capivari de Baixo preparam-se para as provinhas deste mês. Somente duas escolas farão o exame nacional.

Duas escolas de Capivari de Baixo serão avaliadas pela Provinha Brasil, aplicada a cada dois anos pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). O exame será aplicado até o próximo dia 18.

Serão avaliadas três turmas da Escola Stanislau Gaidzinski Filho e sete da Dom Anselmo Pietrula. E, extra-oficialmente, poderá ser enviada pela secretaria de educação da prefeitura a todas as escolas. Na Escola Pequeno Polega, na comunidade de Vila Flor, por exemplo, os estudantes já se preparam.

Em muitas unidades, os alunos estão se esforçando para conseguir bons resultados. Em algumas salas, já foram até feitos simulados.
A provinha é uma forma de avaliar se os estudantes estão aprendendo. É destinada a todas as escolas públicas localizadas em áreas urbanas e rurais que tenham, no mínimo, 20 alunos matriculados na 4ª ou 5ª série e 8º ou 9º ano.

Expofeira

Na última semana, a Escola Stanislau Gaidzinski Filho, no centro de Capivari, promoveu a 1ª Expofeira, onde foram mostrados os trabalhos desenvolvidos pelos alunos da 4ª série. Eles contaram sobre as visitas culturais que realizaram no início do ano letivo. O objetivo da feira foi estimular os alunos a desenvolverem as habilidades de comunicação e expressão.

Reforma

Algumas salas de aula da Escola Santo André, em Capivari de Baixo, foram fechadas. Mas não se assuste! Foi por uma boa causa. Os espaços serão reformados e, enquanto não ficarem prontos, os alunos entre 4 e 6 anos estudarão na sede recreativa do Condomínio Santo André, localizado em frente à escola.
O prefeito Luiz Carlos Brunel Alves visitou o local provisório e aprovou a ideia. “As instalações são bastante agradáveis, e não prejudicarão o aprendizado dessas crianças. Quero agradecer, principalmente, aos moradores dos dois prédios vizinhos e logicamente a toda a comunidade do Santo André, que apoiou esta medida”, ressalta.