Um projeto de inclusão digital tem dado o que falar na Escola Jovem Dite Freitas, em Tubarão. O curso começou na aula de física, da professora Edna Soares. As aulas sobre óptica e estudo da luz logo se transformaram em aulas de cliques, muitos cliques.

O mais interessante é que os próprios alunos constroem as suas máquinas. A primeira a ser reproduzida foi a câmara escura. O equipamento foi a primeira grande descoberta para a fotografia desenvolver-se como a conhecemos hoje.

A próxima a ser confeccionada pelos estudantes será a pinhole, uma forma de máquina que não utiliza lentes. É apenas o primeiro passo do projeto. Depois, os estudantes ainda aprenderam um pouco sobre revelação de fotografias.

A última parte do projeto será uma maratona de fotografia. Serão 48 horas de atividades. Cada grupo terá seis horas para colocar em prática o que aprendeu durante do projeto. O tema proposto é ‘Um olhar para a cidade’.

Anote a evolução do projeto

O que já foi feito
♦ O primeiro passo foi a participação dos alunos em um aulão sobre fotografia digital.
♦ Depois, houve outro aulão, sobre a história da fotografia.
♦ Em seguida, os participantes colocaram os conhecimentos em prática. Foi a vez da construção da primeira máquina fotográfica da história: a câmara obscura.

O que vem por aí
♦ Agora, os estudantes preparam-se para confeccionar um outra câmara, a pinhole, um equipamento capaz de captar a imagem sem lentes.
♦ O quinto passo será uma oficina de revelação de fotografias em preto e branco.
♦ Depois, eles terão uma aula de como utilizar a máquina digital.
♦ Haverá também uma visita técnica em um local degradado e outro recuperado.
♦ Maratona de fotografia. Cada grupo terá seis horas para clicar algo dentro do tema proposto: ‘Um olhar para a cidade’.

Meio ambiente: A preservação é um dever de todos

Desastres naturais, biodiversidade e água são alguns dos assuntos discutidos pelos alunos do Colégio Dehon, em Tubarão, na Semana do Meio Ambiente.
Em parceria com acadêmicas do curso de ciências biológicas da Unisul, os estudantes realizaram várias ações. O objetivo foi inserir nos alunos o espírito de conscientização.

Para a professora de biologia do colégio, Samantha Pereira Miguel, despertar nos estudantes a importância de se preservar o meio ambiente foi a principal finalidade desta iniciativa. “Os jovens possuem uma facilidade maior de se comunicar, então, se eles estão conscientes, provavelmente, repassarão essas informações para pais e amigos”, define.

Participaram das atividades as primeiras séries do ensino médio, com maquetes, cartazes e experiências. Os trabalhos abordaram temas como desastres naturais, biodiversidade e água.

“Por meio de muita pesquisa, aprendemos como melhorar não só o espaço em que vivemos, mas todo o meio ambiente. É muito bom poder repassar esse aprendizado tão importante para a sociedade”, avalia a aluna Anabelly de Souza Medeiros.