Tubarão
 
Há disponíveis no mercado diversos tipos de enxaguatórios bucais, cada um com propriedades destinadas a um objetivo. Muitas pessoas, entretanto, não sabem como utilizá-los. “Quem vai determinar qual a pessoa deve usar é o dentista.
 
Recomenda-se o uso de enxaguatórios após cirurgias, raspagem de dente, casos de alta incidência de cárie, doenças da gengiva e para as pessoas que não têm coordenação motora para realizar uma boa escovação”, orienta a dentista Carolina Faust, da Pró-Odonto, em Tubarão.  
 
Carolina explica que, para o restante da população, o uso é opcional. “Os enxaguatórios podem atenuar problemas de halitose (mau hálito). Porém, é importante que o mesmo contenha flúor para ajudar a reduzir o risco de cárie dentária”, recomenda.  
 
Na utilização do enxaguatório bucal com flúor, devem ser feitos bochechos de 30 segundos a um minuto, principalmente à noite, após escovação e uso do fio dental. A frequência recomendada é de três vezes por semana. “Não esquecendo que não devemos lavar a boca com água após o bochecho, pois o importante é o contato do produto com os dentes e gengiva”, ensina a dentista. 
 
Dentre os benefícios dos enxaguatórios, pode-se destacar que estes ajudam a eliminar as bactérias que causam a gengivite, a placa bacteriana, o mau hálito e a cárie dentária, atuando onde a escova dentária não alcança.