Aqueles que já receberam a visita de membros da comissão devem fazer como a dona Maria Helena: levar os documentos solicitados até o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Loteamento Camila para efetuar o registro do imóvel
Aqueles que já receberam a visita de membros da comissão devem fazer como a dona Maria Helena: levar os documentos solicitados até o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Loteamento Camila para efetuar o registro do imóvel

 

Capivari de Baixo
 
Ter um lar para viver, com documentação completa e devidamente regularizado, é o sonho da maioria dos moradores do Loteamento Camila, em Capivari de Baixo. É por isso que a prefeitura começou a implementação do projeto Lar Legal, idealizado pelo judiciário catarinense há alguns anos.
 
A ação beneficia especialmente as famílias que têm ou tinham suas propriedades sem escritura. Uma comissão, designada pelo executivo, já vistoriou 70% das residências da localidade. No total, 600 casas serão visitadas.
O que chama a atenção é que apenas 20% das famílias entrevistadas até agora disponibilizaram toda a documentação necessária para a efetivação do cadastro. Segundo a integrante da comissão, Deise Fortuna, a falta de interesse das famílias em apresentar a documentação, causa alguns transtornos.
 
Para ter o benefício, que é totalmente gratuito, basta apresentar o CPF do proprietário e do cônjuge, RGs, comprovante de residência e de renda e um documento que comprove a posse do terreno. 
 
Vale um recibo, o contrato ou mesmo uma escritura. São poucos os documentos necessários. Mesmo assim, temos bastante dificuldade”, lamenta a estagiária da comissão.
 
Ao contrário da maioria, a dona Maria Helena dos Santos, que mora na rua Gonçalves Dias, não perdeu tempo em juntar o que precisava para ter seu lar doce lar regularizado. 
“Eu só tinha um recibo de compra do terreno. Agora, terei a chance de deixar tudo direitinho. É garantia para o futuro e para a minha família”, incentiva dona Maria Helena.