Liliane Dias
Capivari de Baixo

Vários são os motivos que levam uma pessoa a optar por uma tatuagem: religiosidade, amor, homenagem, modismo ou simplesmente a vontade de ter uma expressão de sentimento desenhada na pele. Além disso, a tatuagem deixou de ser uma ‘exclusividade’ dos jovens. O passar dos anos e a diminuição do preconceito têm resultado em adeptos de todas as idades.

Torna-se um problema ou uma frustração, quando o desejo de ter uma tatuagem é substituído pela vontade de apagar. O tatuador Lucas Cardoso Pessoa, conta que normalmente quem faz a primeira tatuagem busca algo que tenha um significado permanente e que normalmente não há arrependimento neste sentido. Mas em contrapartida, outros significados podem justamente ser a causa da necessidade de apagar.

A primeira, por ter sido muito pensada é algo que represente para a vida. “Por ser o primeiro contato da pessoa com uma tatuagem, a primeira ideia, é de que com o tempo possa se arrepender. Então quando a pessoa vem fazer busca um significado bem forte. Assim, mesmo que ocorra de não gostar da tatuagem, permanece por ter este significado”, avalia.

Em contrapartida, outras situações ocasionam o arrependimento ou apenas a vontade de mudança. Lucas explica que depois a segunda normalmente é feita pela estética. “A pessoa já perde aquele medo, viu que gostou e acaba fazendo várias. Mas a primeira, 90% vem me procurar com um significado”, pontua.

Entre as causas a necessidade de apagar ou cobrir estão nomes de ex-companheiros, descontentamento com o desenho ou mesmo o fato de a tatuagem estar muito velha. “Hoje tenho muita procura para fazer cobertura de tatuagem. 50% do pessoal que vem buscam cobrir uma tatuagem antiga de 10, 15 ou 20 anos. Normalmente a intenção é cobrir com uma tatuagem mais moderna”, ressalta.

 

Aumento na procura

A procura por uma tatuagem aumentou muito de alguns anos para cá. Lucas explica que em partes se dá ao fato de a discriminação ter reduzido muito nos últimos anos. “Anteriormente o pessoal procurava menos ou optavam por tatuagens mais escondidas. Hoje eles procuram deixar mais a amostra”, detalha.

Para ele, o fato de vários jogadores de futebol, artistas famosos com várias tatuagens acabam motivando as pessoas a fazerem também. “A questão de emprego também está tranquila hoje. Antigamente as pessoas tinham muito medo de não arrumar trabalho em virtude do preconceito”, pontua.

Por conta dessa ‘divulgação’ dos famosos e a redução do preconceito, a busca por um público diferente passou a integrar os adeptos das tatuagens. “Hoje tenho muitos clientes com faixa de idade entre 60 e 70 anos. Os que vem fazer a primeira tatuagem justamente por isso, porque antes tinha muito preconceito”, destaca.

A escolha vem carregada de significado. “A homenagem nesses casos é muito frequente. Muitos vêm com um significado forte, um nome de um filho, as vezes um ente querido que faleceu, mas hoje procuram mais pelo fato de estar bem menos discriminado”, afirma.

 

Como é o processo

A partir do momento que o cliente marca horário é captada sua ideia inicial. “O cliente conta a ideia do que tem em mente que quer tatuar e trabalhamos em cima. É feito todo o desenho. Muitas vezes é simples e outras é mais complexa”, detalha Lucas.

A partir do momento que o cliente da um ‘ok’ para o desenho, é dado início ao procedimento. O tempo de duração varia de acordo com o grau de dificuldade da arte que pode variar de minutos a dias. “Um realismo de rosto, por exemplo, levo em média umas 10 horas para fazer. Já um nome pode levar em média 5 minutos”, explica.

Após o termino da tatuagem, o cliente vai embora com um curativo, e começa um processo de cicatrização. “Leva de 15 a 30 dias para terminar o processo de cicatrização. Durante o período utiliza-se uma pomada cicatrizante. Depois de concluído recomenda-se o uso de um protetor solar para a tinta durar. Basicamente os cuidados que se tem com a pele vai refletir na tatuagem”, observa.

 

Quando recorrer a remoção

Lucas conta que entre as opções para substituir uma tatuagem que passou a ser indesejada, estão a de cobertura, reforma e a remoção por meio do laser. “Quando não conseguimos reformar, tem a opção de consegue cobrir, mas as vezes não conseguimos nem reformar e nem cobrir”, explica.

Nesses casos a melhor opção é efetuar a remoção da tatuagem via laser, porque o processo de cobrir é bem mais difícil. “É comum recorrer a esse procedimento quando o cliente não quer aumentar o tamanho da tatuagem, o que torna o processo mais complicado”, avalia.

A micropigmentadora da Tayse Visual em Capivari de Baixo, Tayse Alves, conta que para a remoção total de tatuagem geralmente são necessárias no mínimo, cinco sessões. “Tudo depende da profundidade em que está na pele”, pontua.

Por isso, o tatuador explica que muitas vezes não é necessária uma remoção completa. “Às vezes apenas clarear um pouco já é suficiente para conseguirmos fazer um procedimento de cobertura. Mas há casos tão complexos que nem pegamos por ser muito difícil”, explica Lucas.

Ele cita o exemplo que casos mais complexos, como daquelas pessoas que fazem o nome de um namorado, marido ou mulher (tatuagem de casal), por exemplo, e busca fazer cobertura. “Quando identificamos que a necessidade é mais complexa, e que não será possível uma cobertura completa, indicamos que o cliente faça algumas sessões de lazer para removê-la”, ressalta.

A indicação para um procedimento de remoção a laser ocorre apenas quando não é possível fazer uma cobertura, de acordo com o que o cliente queira. “Às vezes o cliente dá mais liberdade para criarmos e fica mais fácil de cobrir, mas tem cliente que não quer uma tatuagem e busca uma apenas para cobrir e tentar gostar da tatuagem”, relata.

Outras situações a intenção do cliente são apenas de remover. “A alternativa é realmente o processo de remoção”, afirma Lucas. Nestes casos, Tayse explica que uma avaliação é feita para identificar quantas sessões serão necessárias e orienta como o processo funciona.

O processo de remoção é demorado, e cada sessão tem intervalo de 30 dias. Com relação a valores, alguns pontos são considerados. “A avaliação e feita por meio de foto e do tamanho da tatuagem via WhatsApp”, afirma Tayse.

Depende da reação da pele, da tatuagem e depois de uns 30 a 40 dias, pode-se iniciar o processo de cobertura. “Depois de o cliente ter feito todas as sessões de laser após uns 40 dias iniciamos o processo de cobertura da tatuagem”, finaliza Lucas.

 

Leia mais:

https://notisul.com.br/geral/remocao-de-tatuagem-pode-ser-saida-para-retomar-autoestima/

https://notisul.com.br/geral/autoestima-e-resgatada-com-tatuagem/