Cristiano Carrador
Tubarão

Há mesmo vida após a morte? Como as pessoas estarão no mundo espiritual? É possível a comunicação com quem está em outros planos, desencarnado, como definem os espíritas? E mais, como são os outros planos ou planetas? Há vida por lá? Espíritas e integrantes de outros segmentos religiosos garantem que sim. Como provar? Por meio de mensagens vindas de quem não está na terra ou pelo menos visível para a maioria.

Depois do sucesso do filme sobre a vida do médium Chico Xavier, chega aos cinemas, sexta-feira, Nosso Lar, superprodução sobre uma colônia espiritual ligada à terra. E foi justamente Chico Xavier, precursor da doutrina no Brasil, quem psicografou o livro Nosso Lar, origem do filme. Publicado pela primeira vez em 1944, foi ditado pelo espírito André Luiz.

Para muitos, as convicções dos espíritas parecem ficção científica. Um planeta ou plano espiritual, Nosso Lar, com casas, hospitais, praças, veículos que saem do chão e trafegam em velocidades inimagináveis por aqui, o Aerobus? Espíritos com maior evolução moral, conhecimentos? Tudo transmitido para cá pela psicografia (comunicação dos espíritos, por meio de médiuns, pela escrita). Chico Xavier psicografou quase 500 obras, às vezes com as duas mãos ao mesmo tempo. Foram milhares de cartas que serviram e ainda servem de consolo para milhões de pessoas. Quem “perdeu” um ente querido diz que teve a certeza de que ele segue vivo. Chico não utilizou para si nem R$ 1,00 do lucro com os livros, foi tudo para ações beneficentes.

Como surgiu o espiritismo?

Organizada por volta de 1850, na França, pelo professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, um cientista, antes cético sobre o tema, a doutrina espírita atrai a cada dia mais adeptos. Há pessoas que se declaram católicas, evangélicas, de religiões islâmicas, por exemplo, mas concordam com as definições do espiritismo.

E justamente por isso, garantem os seguidores da doutrina, não há nenhum tipo de discriminação religiosa, ninguém precisa sair de onde está, se sente-se bem. O principal é a prática do maior ensinamento de Jesus, o amor ao próximo como a si mesmo. Deus é o mesmo. Para todos! Há o respeito também com quem se declara ateu. O que importa são as suas ações. Para o bem!

Hippolyte Léon, chamado de codificador da doutrina, aos 10 anos foi estudar na cidade suíça de Yverdon, para completar a sua bagagem no célebre instituto de educação, instalado em 1805 pelo professor João Henrique Pestalozzi. Foi seu colaborador, lançou livros que revolucionaram a educação. Organizou a doutrina em cinco obras básicas, e posteriormente utilizou o nome Allan Kardec, como foi conhecido em existência anterior.

Ao tomar conhecimento dos fenômenos das mesas girantes, na França, por volta de 1850, convenceu-se da existência do mundo espiritual e organizou o Livro dos Espíritos, a primeira obra ditada pelo mundo espiritual, com caráter científico. Ressaltava que, a partir do momento em que a ciência mostre um ponto em que a doutrina está equivocada, siga-se as explicações da ciência.

Evolução infinita

Vida após a vida. Morte somente do corpo físico. O espírito, a alma, a inteligência, não importa a denominação, seguem. É essência, em evolução infinita e contínua, garantem os espíritas. André Luiz era médico na Terra, no Rio de Janeiro.

Tinha outro nome, não revelado para não gerar constrangimentos. Teve uma vida desregrada, excesso de trabalho, bebidas alcoólicas, traição. Desencarnou! Tinha responsabilidades com a família, com a esposa, os filhos, os amava. Atendeu pessoas carentes sem cobrar. Passou oito anos no Umbral, uma região inferior, com espíritos em situação delicada, ameaçadores, uma espécie de inferno, como é conhecido pela maioria.

Neste caso, uma outra convicção da doutrina, não há inferno eterno, onde quem cometeu delitos nunca mais sairá. Pelo contrário, todos terão uma nova chance, infinitas chances. “Fruto da infinita bondade divina”, diz Carlos Roberto Rebelo, presidente do Conselho Regional Espírita 15, sediado em Tubarão. Inferno, na origem da palavra, significava regiões inferiores.

Há inúmeras, como as superiores à Terra, Nosso Lar é um exemplo. Depois de resgatado, André passou por um hospital, foi acolhido, recebeu lições. O livro mostra que as orações e a gratidão de quem ele atendeu o ajudaram a enxergar um mentor e ajudantes que foram até o Umbral resgatá-lo. O livro já dá uma ideia de como é esta colônia espiritual. O filme mais ainda.

Questionamentos:
Como as pessoas apresentam-se em um plano espiritual? Conservam a mesma imagem que tinham na Terra?
Respostas: a doutrina espírita explica que no mundo espiritual, o corpo pode ser mais ou menos denso. Em Nosso Lar, menos. Os espíritos têm um perispírito, ligação entre o corpo físico e o espírito. Em outros planos, o espírito, dependendo da sua evolução, pode apresentar-se de acordo com a imagem que tinha em outras existências, para ser reconhecido. E o espírito? É essência, ainda não é possível defini-lo corretamente por aqui.