Brasília (DF)

A partir deste sábado os preços das passagens aéreas para os 12 países da América do Sul poderão ser reduzidos em 50%, informou ontem a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A medida foi aprovada pela diretoria colegiada da Anac e será publicada no Diário Oficial ainda esta semana.

A agência reguladora anunciou a liberação gradual das tarifas dos vôos que saem do Brasil para Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai, Bolívia, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.

Atualmente, as tarifas dos vôos para a América do Sul têm descontos limitados a 30% do valor de referência da Associação Internacional de Transporte Aéreo. Pela nova resolução, o limite de descontos aumentará de forma gradual, até a adoção de um regime de liberdade tarifária total, em 1º de setembro.

Segundo a Anac, os descontos não são obrigatórios. Caberá a cada companhia aplicar as tarifas que achar conveniente, de acordo com suas políticas de vendas e promoções.
“Competição gera mais eficiência. Eficiência gera preços menores e o usuário viaja mais”, disse o diretor da agência, Ronaldo Seroa da Mota. Ele acrescentou que a medida foi aprovada após consulta pública.

De acordo com Seroa da Mota, a expectativa é de que os vôos para a Argentina “aumentem bastante” com a medida. Ele disse que se, por exemplo, houver uma queda de 50% no preço das passagens, as viagens para a Argentina podem aumentar 10%.
Balanço preliminar da Anac indica que cerca de quatro milhões de passageiros viajaram do Brasil para países da América do Sul em 2007 – 50% para a Argentina, 20% para o Chile e 30% para os demais países.

Liberdade tarifária
Além desta primeira etapa, em que os descontos autorizados poderão passar de 30% para 50%, a partir de 1º de junho, os descontos poderão chegar a 80%. E, em 1º de setembro, passará a vigorar a liberdade tarifária nos vôos da América do Sul, ou seja, as companhias poderão cobrar qualquer preço pela passagem, sem limites.