#PraCegoVer Na foto, uma estrutura que desabou
Em Capivari de Baixo, o galpão da empresa Só Sucata desabou. Em outra empresa, o muro, algumas paredes e o telhado também caíram com a força dos ventos - Foto: Defesa Civil de Capivari de Baixo | Divulgação

A ventania não era surpresa e vem sendo alertada pelos Epagri/Ciram desde a terça-feira (26), mas as rajadas foram mais fortes do que o previsto e causaram destruição na região. Em Tubarão, os ventos chegaram a 79 quilômetros por hora e em Jaguaruna o registro foi de 76 quilômetros por hora, conforme dados da Epagri de Urussanga. Mais ao Sul do Estado, as rajadas foram ainda mais fortes: 121,9 quilômetros por hora na plataforma de pesca de Balneário Rincão, 89 quilômetros por hora na barragem do Rio São Bento e 80 quilômetros por hora em Araranguá. No litoral, a Defesa Civil de Imbituba informou que as rajadas alcançaram a marca de 90 quilômetros por hora. Conforme a meteorologista Ana Luiza Dors Wilke, a mudança climática se deve a aproximação de uma frente fria pelas área de divisa com o Rio Grande do Sul.

#PraCegoVer Na foto, um edifício destelhado
Em Imbituba, o telhado de alumínio do Ginásio de Esporte Olivar Francisco, no Centro da cidade, ficou parcialmente destruído por cousa da ventania – Foto: Israel Costa | PMI | Divulgação

“Isso provocou uma mudança de direção dos ventos. A população deve ficar atenta, pois as ocorrências ocasionadas pelas rajadas estão em nível moderado em toda a região Sul e Planalto Sul de Santa Catarina”, avisa. Ainda nesta sexta-feira, podem ocorrer novas rajadas de ventos com intensidade entre 50 a 70 quilômetros por hora, em especial no Litoral Sul. A chuva também deve persistir nesta sexta-feira (29) e as temperaturas devem ficar mais frias nos próximos dias, com mínima prevista em 17ºC e máxima em 20ºC na região Sul catarinense. Em Capivari de Baixo duas empresas, ambos no bairro Vila Flor, tiveram prejuízos altos. Uma delas é a Só Sucata: o galpão veio abaixo. EM outra, o muro, algumas paredes e telhado também desabaram. Em nenhum dos casos houve registro de feridos.

A Defesa Civil do município segue em alerta e percorreu todos os bairros e localidades. Também houve alguns registros de queda de árvores em vias públicas. Não há registros de desabrigados. Em Imbituba, o vento forte destelhou parte do Ginásio de Esportes Olivar Francisco, no Centro da cidade. Um outdoor, também na área central, foi derrubado e uma árvore foi ao chão em uma rua do bairro Ribanceira dos Farias. Também foi há registros de feridos, desalojados ou desabrigados na cidade. Em virtude dos estragos provocados no ginásio, todas as atividades no local, inclusive a rodada do Citadino de Futsal que seria realizada nesta sexta-feira (29), estão suspensas. Em Tubarão, houve o registro de várias quedas de árvores em diversos bairros. Também não há informações de feridos, desalojados ou desabrigados no município. Em Criciúma, pelo menos 8.422 unidades consumidoras ficaram sem energia elétrica, em especial na região central e bairros adjacentes. O principal problema foi a queda de árvores sobre postes e placas arremessadas contra a rede elétrica. A Celesc iniciou o reparo ainda na noite desta quinta-feira. Em Araranguá, a balsa teve os serviços de travessia interrompidos devido às condições climáticas e dificuldade quanto a navegabilidade.

Fontes: Defesa Civil de Santa Catarina, Prefeitura de Imbituba, Prefeitura e Defesa Civil de Capivari de Baixo, Prefeitura de Criciúma, Prefeitura de Araranguá, Epagri Urussanga e Epagri/Ciram Florianópolis
Edição: Zahyra Mattar | Notisul

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/portalnotisul