O presidente do Sindilojas comemora o aumento nas vendas. A partir de agora, a tendência é que o movimento diminua no comércio
O presidente do Sindilojas comemora o aumento nas vendas. A partir de agora, a tendência é que o movimento diminua no comércio

 

Angelica Brunatto
Tubarão
 
Não é à toa que o Dia das Mães é a segunda melhor data para o comércio. Para muitos, é considerada o segundo Natal do ano. Em Tubarão, as vendas tiveram um incremento médio de 20% neste começo de mês, em virtude da data.
 
Algumas lojas chegaram a números maiores: entre 30% a 40%. “Foi ótimo. Isso prova a força desta data”, comemora o presidente do Sindilojas, Fernando Nandi. Em comparação com o ano passado, as vendas do Dia D, realizado no dia 5 deste mês, subiram 14,29%. Já durante o horário especial do último sábado, as vendas aumentaram 5%.
 
“Nossa meta era um crescimento de 8% nessas duas datas. Foi melhor do que o projetado”, valoriza o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Tubarão, Felipe Antunes Nascimento.
 
Em muitas lojas o estoque de algumas mercadorias acabou. “Nossas prateleiras ficaram vazias! Hoje (ontem) passamos o dia repondo os produtos”, celebra a gerente do Boticário, Daiane Mateus. 
 
A tendência, a partir de agora, é que o movimento diminua no setor lojista. “Esta semana ainda há movimento porque são os dias das trocas. São produtos que não serviram, por exemplo. E quem vem trocar sempre leva mais uma coisinha”, completa Fernando.
 
A troca nesta época é um procedimento normal. Porém, caso não haja defeito no produto, não é garantida por lei. “É uma convenção. Caso o produto não sirva, o presenteado pode procurar a loja, mas não existe obrigação do estabelecimento aceitar, se o produto está em condições de voltar à prateleira”, explica a coordenadora do Procon, Reneuza Borba.
 
No país
O comércio brasileiro também cresceu com a passagem do Dia das Mães. O incremento no comércio, no país, foi de 7,3%. Mesmo assim, o número não foi maior do que o registrado em 2011: 12,1%. Segundo pesquisa da Serasa Experian, esta queda reflete no maior endividamento do consumidor. A expectativa dos comerciantes, agora, é para o Dia dos Namorados, no dia 12 do próximo mês.